quarta-feira, 18 de novembro de 2020

A segunda onda da pandemia vai chegar ao Brasil? Veja o que dizem 3 autoridades no assunto


 


Foto / reprodução
INFOMONEY – Depois de superar o período mais crítico da pandemia em março e abril, e experimentar uma espécie de normalidade nos meses seguintes, países do Hemisfério Norte estão vendo o filme se repetir. E os números cada vez mais preocupantes da doença na Europa e dos Estados Unidos alarmam novamente o mundo e despertam a dúvida: o Brasil pode viver uma segunda onda de coronavírus?

Após a nova explosão de casos, os governos da Alemanha e da França anunciaram, na última quarta-feira (28), um lockdown parcial para conter a segunda onda da Covid.

Na Alemanha, o novo bloqueio, que começa no dia 2 de novembro, foi anunciado depois que o país registrou quase 15 mil novos casos em 24 horas, o maior número de diagnósticos diários desde o início da pandemia.

Logo em seguida, o governo francês também anunciou seu lockdown, que começa nesta sexta-feira (30). As novas medidas foram adotadas após a França registrar 52.010 infecções no domingo, batendo seu recorde diário de casos, além de 523 mortes na terça-feira (27), o número mais alto de óbitos desde abril.
Já o Reino Unido registrou mais 367 vítimas também na última terça-feira, um recorde de óbitos desde o fim de maio. A Itália, que também viveu uma primeira onda devastadora na pandemia, relatou 221 mortes na última terça-feira, recorde diário de mortes desde meados de maio.

A Rússia, que só fica atrás de Estados Unidos, Índia e Brasil em número de infecções, também registrou seu recorde diário de óbitos nesta semana, com 346 vítimas na última quarta-feira.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as mortes diárias por Covid-19 em território europeu aumentaram quase 40% na última semana, ante a semana anterior.

Para entender melhor o que essa segunda sinaliza sobre o estágio da epidemia em âmbito global e tentar traçar um paralelo com possíveis implicações para o Brasil, o InfoMoney conversou com especialistas da área da saúde para entender se o Brasil também vai enfrentar uma segunda onda de Covid.