quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Clínica onde nutricionista fez procedimento estético antes de morrer não tinha alvará, diz polícia


 
Foto: Reprodução/Redes Sociais
A clínica em que a nutricionista Patricia Rodrigues dos Santos fez um procedimento estético antes de morrer não possuiu alvará de funcionamento, de acordo com as investigações.

A mulher, de 34 anos, morreu na manhã desta quarta-feira (21) horas depois de fazer um preenchimento de silicone nos glúteos em Alcântara, São Gonçalo. Segundo a polícia, Patricia pagou R$ 2.151,80 pela intervenção.

Salão de beleza
O homem que fez a intervenção é o massoterapeuta Leonardo Lima de Souza. Ele realizou o procedimento em um quarto, dentro de um salão de beleza. Ele foi levado para prestar esclarecimentos.

Na delegacia, Leonardo contou que colocou silicone industrial em Patrícia, mas que foi ela quem comprou o material.

Em uma troca de mensagens entre Patricia e Leonardo, ela conta que sua pressão havia caído e que estava se sentindo tonta. Ele, então, responde que pode ser "alimentação".

Foto: Reprodução

O atestado de óbito confirmou que o líquido encontrado é compatível com silicone e que há suspeita de embolia pulmonar decorrente do procedimento estético. No entanto, são necessários outros exames para comprovar a causa da morte.

Como o laudo do IML depende de exames complementares, Leonardo não foi preso em flagrante. De acordo com o delegado Allan Duarte, se confirmado o uso desse produto, o autor responderá por homicídio doloso e responderá por exercício ilegal da medicina.

No enterro, que aconteceu no cemitério de Maruí, em Niterói, os parentes disseram que Patricia não contou a ninguém da família sobre o procedimento e que ainda estão tentando entender o que aconteceu.

Com informações do site: G1, Mônica Teixeira