segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Pele saudável: 3 cuidados essenciais de skincare para ter no verão


 


Foto / reprodução

O calor do verão mexe com nosso organismo de diferentes formas. Internamente, o fluxo sanguíneo aumenta e sentimos mais inchaço, enquanto externamente, vemos mais oleosidade na pele e também, claro, uma maior transpiração. E é justamente por todas essas mudanças que devemos redobrar alguns cuidados nessa época do ano.A seguir, descubra quais são os cuidados essenciais que devemos ter com a pele do corpo todo no verão:

1. Proteja a pele

O dano causado pelo sol provoca alterações significativas na estrutura da melanina que produz dímeros de pirimidina, que alteram de modo irreversível o DNA celular levando à inflamação tecidual que perdura por até três horas após a exposição solar, estimulando estados patológicos na pele como melasma e câncer de pele. Portanto, se expor ao sol não é aconselhável a exposição solar sem fotoproteção, mesmo nos horários recomendados. "Sabe-se que mesmo quando a pele se encontra em dose suberitematosa, ou seja, ainda não apresenta vermelhidão ou sensibilidade local, já está em estado inflamatório e, com isto, produz espécies reativas de oxigênio, nitrogênio e carbono que causam danos ao DNA celular”, explica a dermatologista Claudia Marçal.

A especialista recomenda que o filtro solar deve ser passado na pele do corpo todo sem qualquer vestimenta, trinta minutos antes da exposição solar e reaplicado a cada duas horas em média, com uso de chapéu e óculos, além de se respeitar os horários, já há muito tempo recomendados que são até 10 da manhã e depois das 16 horas da tarde.

2. Evite a exposição solar direta, contínua e prolongada

 A radiação solar está envolvida com a aceleração do envelhecimento da pele, casos de insolação (com reação inclusive de desmaios e confusão mental) e câncer de pele. “Os principais sintomas da insolação são: temperatura corporal excessivamente elevada, pele vermelha, taquicardia, cefaleia, dispneia (falta de ar), vertigem, náuseas, vômito, desidratação, confusão mental, desmaios e até perda de consciência”, afirma Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica Gru Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

No caso do câncer de pele, embora o melanoma possa estar ligado a herança genética, fatores ambientais como a exposição solar influenciam no aparecimento da doença — principalmente com os elevados índices de radiação que atingem níveis considerados potencialmente cancerígenos. "Por isso, é importante ficarmos atentos ao aparecimento e mudanças de pintas através do autoexame da pele. O excesso de exposição solar promove mutação no DNA das células da pele que passam a se multiplicar de forma desordenada”, afirma o cirurgião plásticoMário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). 

3. Capriche na hidratação (mesmo se tiver pele oleosa) 

Muita gente ainda confunde hidratação com oleosidade e dispensa o uso do hidratante. No entanto, é importante diferenciar uma coisa da outra e sempre hidratar a pele. “O calor estimula a hiperprodução de gordura e quem tem pele oleosa acaba sofrendo mais com as altas temperaturas. E, sabendo que os tipos de pele oleosa e mista são os mais comuns no Brasil, com uma incidência de 80% na população, fica difícil escolher o produto ideal para hidratar a pele – e muitas pessoas deixam de hidratar", explica Claudia. 

Para quem tem pele oleosa, o ideal é apostar em produtos em gel ou sérum. “Quanto maior a quantidade de óleos o produto contiver, mais pegajosa vai ficar a pele. O resultado vai ser uma pele com mais brilho, com aparência de que está faltando limpeza, além de poder ter complicações como acne e os poros se dilatarem ainda mais”, afirma o pesquisador e farmacêutico Maurizio Pupo, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy. 

Com informações do site: Marie Claire