terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Aprenda como identificar risco de câncer de pele através do ABCDE das pintas


 
Foto: Reprodução
Aprenda como identificar risco de câncer de pele através do ABCDE das pintas
"Esse método é uma forma de auto avaliação, como o auto exame para o Câncer de Mama, mas não substitui uma consulta com especialista", alerta a dermatologista Nádia Bavoso

O Dezembro Laranja acabou, mas o cuidado com a saúde e a conscientização para prevenção do câncer de pele devem ser mantidos o ano inteiro. Por isso, a dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Dra. Nádia Bavoso, ensina como identificar os riscos de câncer de pele por meio do método ABCDE.
Essa é uma forma de simplificar a identificação da doença que é tão silenciosa e que o Brasil, infelizmente, lidera em números de casos no mundo. 

• A - assimetria: ao dividir a pinta no meio, os dois lados precisam ser iguais. A não simetria pode indicar uma pinta maligna; 

poster  
• B - borda: bordas irregulares e borradas são sinais de alerta; 

• C - cor: uma das características mais comuns do melanoma é a pinta com variação de cor. Normalmente as pintas com mais de duas cores chamam a atenção dos especialistas.
Fique atento!; 

• D - diâmetro: é importante observar os tamanhos das pintas. Se for maior que 6 milímetros (mais ou menos o tamanho da “bundinha” do lápis), há chances de ser uma pinta maligna; 

• E - evolução: fique muito atento às mudanças das características da pinta: cor, tamanho, textura. Importante: não é comum o surgimento de pintas em adultos com mais de 35 anos. Por isso, a Dermatologista reforça que qualquer alteração pode indicar o melanoma. 

“Esse método é uma forma de auto avaliação, como o auto exame para o Câncer de Mama, mas não substitui uma consulta com especialista.
É muito importante reforçar que a consulta com o Dermatologista deve ser anual em pacientes que nunca tiveram nenhum tipo de câncer de pele para ajudar na prevenção do câncer e até no diagnóstico precoce da doença”, finaliza Dra. Nádia. 

Com informações do site: iBahia