segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Beber cerveja faz mal à saúde? Qual a quantidade ideal por semana?


 
Foto: Reprodução
Será que beber cerveja faz mal à saúde como ouvimos falar? É o que a maioria das pessoas pensa, porém, muitos estudos indicam que o consumo moderado de cerveja pode sim fazer bem à sua saúde.

Benefícios do consumo moderado da cerveja

Já se sabe que o vinho, consumido com moderação (no máximo 5 taças por semana), traz muitos benefícios para a saúde.

Mas, atualmente novos estudos têm sido realizados para identificar quais efeitos positivos o consumo de outras bebidas alcoólicas pode apresentar, em especial a cerveja.

Veja em seguida os principais benefícios.

Reforça o sistema imunológico
Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Saúde e Ciência de Oregon, nos EUA, a cevada presente na composição da cerveja auxilia no fortalecimento do sistema imunológico, por conseguinte aumenta a produção de anticorpos e combate infecções.

Equilibra as ações dos rins e evita cálculo renal
Uma interessante descoberta da Mayo Clinic dos Estados Unidos revela que a cerveja promove a produção de urina e elimina toxinas, equilibrando as ações dos rins e evitando o cálculo renal. 

Isso ocorre devido à presença de água em cervejas mais comuns e populares, como as Lager, que impulsionam o efeito diurético.

Aumenta a criatividade e torna o raciocínio mais rápido
Em 2012, uma pesquisa realizada pela Universidade de Illinois, nos EUA, constatou que o consumo moderado de cerveja torna o raciocínio mais rápido e gera maior criatividade, contudo, quando ingerida em excesso pode afetar as habilidades analíticas, portanto, não exagere.

Auxilia no combate aos efeitos da insônia
A levedura de cerveja, além de possuir propriedades relaxantes também é rica em vitamina B6 que é capaz de promover o relaxamento do organismo e sistema nervoso e, por conseguinte causa sonolência.

Ajuda no controle do colesterol
A cerveja também estimula a produção do colesterol bom, isto é, a fibra solúvel presente especialmente em cervejas em versões escuras é essencial para promover a redução do LDL (colesterol ruim).

Desse modo, além de auxiliar na melhora do fluxo sanguíneo também é possível reduzir os riscos de doenças cardiovasculares.

Fortalece os ossos
O lúpulo e a cevada, presentes nas receitas clássicas que possuem os ingredientes originais da cerveja, apresentam grande quantidade de silício, componente indispensável para proteger os ossos e aumentar sua densidade.

Dessa maneira, além de fortalecer os ossos, a cerveja também previne doenças ósseas, como a osteoporose.

Reduz as chances de desenvolver Alzheimer
O consumo moderado da cerveja previne problemas nas atividades cerebrais e protege o cérebro dos efeitos negativos do alumínio no corpo, que consiste em um dos maiores fatores para a ocorrência do Alzheimer.

Então, a redução da incidência de Alzheimer acontece devido à quantidade de silício presente na cerveja.

Previne a incidência de doenças cardiovasculares
De acordo com um estudo realizado na Grécia, o consumo moderado de cerveja reduz em 35% a 40% o risco de infarto ou derrame. Isso se deve à presença de ferro, ácido fólico e algumas vitaminas presentes em sua composição.

Além disso, segundo uma publicação na revista científica The Lancet, a cerveja também aumenta as taxas de vitamina B6, a qual é responsável por combater a substância homocisteína que, em excesso, aumenta o risco da incidência de doenças cardiovasculares.

Diminui os riscos de câncer
Além dos benefícios citados, um estudo realizado pela Universidade de Idaho (EUA), descobriu que a cerveja apresenta propriedades anticancerígenas, devido a substâncias como humol e lupulona que estão presentes no lúpulo.

Beber com moderação
Porém, vale lembrar que para obter esses benefícios, o consumo da bebida deve ser moderado, sendo até um copo de cerveja por dia para as mulheres e dois copos para o homem, ou seja, no máximo sete copos de cerveja por semana.

Quando consumida em excesso a cerveja faz mal, pois ao invés dos benefícios traz malefícios.

Além de ocasionar algumas doenças como cirrose no fígado, esteatose hepática e hepatite alcoólica, o consumo exacerbado da bebida também aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

Atenção à quantidade
Desse modo, é necessário estar atento à quantidade consumida, pois, além das doenças citadas, o excesso também está associado a outros danos, como por exemplo, redução da expectativa de vida e até mesmo dificuldades cognitivas.

Portanto, se ainda há dúvidas se beber cerveja faz mal à saúde, fica o alerta, a cerveja quando consumida com moderação traz muitos benefícios, mas não exagere.