quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Homem é assassinado a tiros em estação de trem na Zona Norte


 
Foto: Reprodução
Rio - Um homem foi morto a tiros dentro de uma plataforma de trem, na noite desta segunda-feira, em Honório Gurgel, na Zona Norte do Rio. De acordo com a SuperVia, o Corpo de Bombeiros e o Samu foram acionados para o local, mas a vítima, que não teve a identidade revelada, já estava sem vida. Os criminosos conseguiram fugir.
Em nota, a concessionária lamentou o ocorrido e ressaltou que a segurança pública é atribuição do Governo do Estado.
Tiroteios afetam circulação de trem
A Supervia contabilizou, nesta segunda-feira, que, somente no ano passado, mais de 36 casos de tiroteios afetaram a circulação dos trens da empresa por 40 horas e 24 minutos.
O ramal mais afetado no ano passado foi o Saracuruna, com 24 ocorrências de interrupções. Na manhã de ontem não foi diferente. O fluminense amanheceu com os trens operando com intervalos irregulares por consequência de tiroteios. Segundo a concessionária, por 30 minutos, a operação teve que ser parcialmente interrompida por causa de troca de tiros nas proximidades da estação Manguinhos.
"É lamentável que a insegurança pública coloque em risco a operação ferroviária e prejudique o ir e vir de milhares de clientes.
Os trilhos do trem passam por diversas regiões conflagradas, áreas de risco, que precisam de policiamento especializado e ostensivo, o que só pode ser garantido pelo poder público, como prevê o próprio contato de concessão. Por isso, temos dialogado frequentemente com as forças de segurança do estado para que atuem nesses locais mais sensíveis", afirma Antonio Carlos Sanches, presidente da Supervia.
Em casos de tiroteios, os trens podem aguardar ordem de circulação em estações seguras ou a circulação do ramal pode ser parcial ou totalmente suspensa. Quando o tiroteio cessa, a concessionária realiza vistorias em cabos da rede aérea para garantir a retomada da operação em condições adequadas. Às vezes, os cabos são danificados pelos disparos de arma de fogo, atrasando ainda mais a normalização da circulação.

Com informações do site: meiahora