sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Bebê morre 8 dias após internação em hospital e mãe leva seringa com 'remédio desconhecido' para perícia


 
Foto: Reprodução
Paciente foi internada com febre, depois teve diagnóstico de infecção e tomou medicação na seringa, o que teria agravado o estado de saúde. Ela foi transferida de avião para capital e faleceu na última sexta (19).

Coxim (MS) - A família de uma bebê de um ano registrou queixa, no 3° Distrito de Polícia, em Campo Grande, após a morte dela. A vítima foi internada com febre no dia 14 de fevereiro, em um hospital da Cassems, em Coxim, na região norte do estado. No entanto, o quadro se agravou e ela foi transferida para outra unidade, sendo que faleceu na última sexta-feira (19).

Conforme o boletim de ocorrência, a tia da bebê alegou que ela estava com febre no dia 14 de fevereiro, sendo que, no outro dia, a equipe médica informou que a menina estaria com uma infecção e por isso foram ministrados medicamentos, como antibióticos e bromoprida.

Em seguida, a tia conta que a paciente melhorou muito e inclusive ela fez fotos e vídeos da menina sorrindo nos dias 17 e 18 de fevereiro. Já no dia 19, a bebê teria recebido uma injeção e a mãe estava presente no quarto, sendo que presenciou o momento da aplicação seguida de "forte choro e perda de respiração".

Ainda conforme o depoimento, a mãe então recolheu a seringa contendo o resto do medicamento e levou até o Instituto de Análises Laboratoriais Forenses (Ialf) para análise. Na sequência, ela conta que os profissionais tentaram a massagem cardíaca e estabilização.

Devido a gravidade, a equipe acionou reforço e a bebê foi transferida entubada e de avião para o hospital da Cassems, na capital sul-mato-grossense. O quadro de saúde se agravou e ela faleceu às 19h42 (de MS).
O pai então retornou na delegacia e modificou o boletim de lesão corporal para morte a esclarecer.

Em nota, a Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul, Cassems, esclarece que já determinou abertura de processo interno de sindicância para apurar os fatos ocorridos no atendimento prestado à criança.

Com informações do site: Radio Cacula