terça-feira, 16 de março de 2021

Idosas choram e denunciam que dividem quarto com ratos e baratas em hospital; rapaz acidentado acabou perdendo parte da perna por falta de médico


 
Foto: Reprodução
Mulheres que se encontram internadas na ala da ortopedia do Hospital Regional de Vilhena gravaram um vídeo e encaminharam para redação do FOLHA DO SUL ON LINE relatando, emocionadas, a situação de abandono que estão vivendo há mais de 15 dias na unidade, com dores e sem previsão de quando serão submetidas às cirurgias das quais necessitam.

Nair Miotto Veronezi, de 77 anos e Maria Teodoro Ribeiro, de 61 falaram dos momentos horríveis que estão passando e se queixaram de fortes dores, assim como do descaso, pois mesmo já sendo idosas, continuam internadas há semanas vendo outras pessoas passarem na frente na fila de espera por uma cirurgia ortopédica, sem terem seus direitos assegurados.

Chorando, as mulheres, que além do vídeo fizeram contato com a reportagem do site através de uma porta-voz, que fez o registro com a autorização de ambas, afirmaram que é impossível dormir direito por causa dos mosquitos da dengue, baratas e até mesmo de ratos presentes no quarto onde estão.

Ao saber que a situação das idosas seria divulgada pelo site, Salete Maria Coelho, de 40 anos, que divide a mesma enfermaria, também se manifestou para falar sobre seu caso, que é igual ao das colegas de quarto, pois já está a quase duas semanas esperando para fazer uma cirurgia em um dos cotovelos, apesar do médico ter determinado prazo para que o procedimento fosse realizado sem deixar sequelas.

Com câncer de mama, já tendo inclusive realizado a retirado um dos seios, Maria sofre acamada por estar com a bacia e um fêmur fraturados, literalmente “a espera de um milagre”, no entanto, “milagre” este que não chegou a tempo para o jovem Wynder de Albuquerque Araújo, de 18 anos, que após sofrer um acidente de moto e ficar 15 dias em coma na UTI do Hospital Regional, acabou perdendo parte da perna por falta de infectologista no município.

De acordo com o tio de Wynder, que também encaminhou para a reportagem fotos e um vídeo do jovem se levantando da cama pela primeira vez nesta segunda-feira, 15, após dois meses do acidente, o sobrinho só foi mandado para Porto Velho porque entraram na justiça e o juiz determinou a transferência.

“Primeiro ele perdeu parte do pé e depois até a altura da panturrilha. Certamente se não tivesse saído daqui, teria perdido a perna ou a vida”, afirmou o tio.

Ainda com relação à situação das idosas, uma filha da paciente Nair, que aparece na filmagem usando uma tipóia, afirmou que um dos médicos chegou a instruir as pacientes a buscarem seus direitos, pois caso contrário, irão ficar na unidade sem que nenhuma providência fosse tomada.

Mas a situação lastimável em que se encontram os pacientes do Hospital Regional de Vilhena não para por aí, pois a jovem que registrou o depoimento das idosas e que também era paciente na unidade, afirmou que após sair da sala de cirurgia, no dia seguinte, os curativos foram retirados para assepsia, porém, afirmaram que alguém iria colocar novas ataduras, o que não aconteceu, tendo ela passado a tarde e a noite com a cirurgia exposta, momento em que começou a sentir dores e, sem poder se levantar, esperou a irmã chegar para ver do que se tratava, tendo a acompanhante constatado que já havia se formado “um carreiro de formigas” no leito e dentro do ferimento.


 

 
A reportagem do site entrou em contato com a assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal e foi informada de que cirurgias ortopédicas de alta complexidade de articulações e semelhantes são realizadas pelo Estado e acessou as informações da fila de espera, onde consta que Nair é a próxima a ser submetida ao procedimento, Salete Maria está em 24º e Maria Teodoro, que se encontra acamada, ainda está a espera de uma vaga no Hospital de Base de Porto velho.

RESPOSTA DA PREFEITURA NA ÍNTEGRA
Todas as cirurgias citadas no texto são de responsabilidade do Governo do Estado por serem de alta complexidade.
Desde o fim do ano passado a Prefeitura informa, como sempre informou, ao Ministério Público sobre os casos em que há demora na transferência dos pacientes para centros de referência do Estado.

Infelizmente neste tema o paciente precisa aguardar vaga em hospital do Estado que possa fazer a cirurgia, já que as prefeituras não oferecem serviços de alta complexidade em Saúde.

Ontem a direção conversou com as enfermeiras, assistentes sociais e médicos das alas no hospital, não foi relatado nenhum caso de presença de ratos ou outros riscos reais à saúde dos pacientes.


 
Condutas específicas de profissionais de saúde que possam ter colocado em risco algum paciente são sempre apuradas assim que chegam ao conhecimento da direção. O Hospital Regional de Vilhena tem mais de 400 servidores e faz dezenas de milhares de atendimentos por mês, sendo o maior hospital do Sul de Rondônia, mantido pela Prefeitura de Vilhena, mas atendendo a todos os municípios da região e até mesmo do Mato Grosso. Atualmente em reforma, a estrutura física passará por reparos completos avaliados em mais de R$ 2 milhões que deverão sanar eventuais problemas que surjam no prédio, que já tem cerca de 40 anos em alguns trechos.

Ainda assim, a solução completa para a melhora na capacidade de atendimento, condições de trabalho e conforto dos pacientes virá com a construção de um novo prédio, sem enjambramentos. A licitação está prevista para acontecer este ano e o novo prédio do hospital regional já tem terreno, projeto pronto, recurso garantido e será moderno, com capacidade cerca de duas vezes maior que o atual hospital. A previsão para conclusão da obra é de quatro a cinco anos após seu início.

CLIQUE ABAIXO e assista o vídeo.

Com informações do site: jhnoticias