sexta-feira, 28 de maio de 2021

Menino pede para juíza para ter sobrenome do padrasto em carta feita à mão: “Meu pai de verdade”


 
Foto: Reprodução
Um menino de apenas 8 anos, em um ato de muita coragem, escreveu à mão um pedido formal para que o cartório mudasse o sobrenome do pai biológico que consta na sua certidão para o de seu padrasto – que é, segundo ele, seu “verdadeiro pai”. O caso ocorreu no município de Quixeramobim, no Ceará, e foi prontamente atendido pela Dra. Kathleen Kilian.

Na carta, o menino escreveu, “Quero pedir encarecidamente que a senhora troque meu nome. Quero tirar o sobrenome Sousa, que é o sobrenome do meu pai biológico e eu gostaria muito de usar o sobrenome do meu verdadeiro pai, que é o meu padrasto”. E ainda ressaltou: “Ele sim que é um pai de verdade! Esteve comigo nos momentos bons e ruins”, declarou.

A carta foi escrita à mão e anunciada em um programa de rádio 
Além disso, o dono do pedido ainda comentou sobre as boas ações da juíza para a comunidade – e como isso o levou a escrever a carta. “Estou lhe pedindo porque vi no celular a senhora distribuindo cestas básicas para as famílias carentes e isso é um verdadeiro ato de amor ao próximo”.

A petição foi anunciada em uma emissora de rádio, e na foi prontamente atendia pela Dra. Kathleen Kilian – titular da 1ª Vara do Fórum de Distrito de Damião Carneiro, na cidade onde reside a família. Como resposta, a doutora também escreveu uma carta ao menino elogiando, acima de tudo, sua conduta e educação:

A juíza respondeu prontamente o pedido do menino (Foto: Reprodução/ Instagram)
“Que alegria ser o motivo da sua lembrança e receber seu carinho por meio dessa carta. Guardarei sempre comigo”, declarou a juíza, depois de breve apresentação. “Mantenha sempre o seu senso de Justiça, tenha interesse pelos seus direitos e pelos direitos de todos. Estude, seja verdadeiro, sinta, tenha coragem e se comprometa com os seus sonhos. No final do dia, o que faz a diferença é o que nos emocionou e o quanto sensibilizamos as pessoas”, aconselhou ainda Dra. Kathleen.

Na resposta da juíza, ela ainda esclarece que o pedido do menino será formalizado e levado para julgamento. O garoto terá um atendimento com a Defensoria Pública pessoalmente agendado pela própria magistranda.

Com informações do site: paisefilhos