quarta-feira, 12 de maio de 2021

'Não foi surpreendente', diz filha sobre mãe envenenada com cerveja


 
Foto: Reprodução

A filha do homem suspeito de matar a esposa após colocar dietilenoglicol no copo de cerveja dela contou à Record TV Minas que as brigas entre o casal eram constantes. Segundo ela, as discussões eram motivadas por brigas financeiras, ciúmes e por um dos dois ficar online por muito tempo em um aplicativo de mensagens.

Segundo ela, o crime não foi tão surpreendente pelo que acontecia entre o casal.
Mas a jovem quer que a justiça seja feita e que o pai pague pelo que fez. Kleber Queiroga, de 42 anos e Gizele Lidiana, de 37, estavam juntos há 19 anos.

Kleber é suspeito de envenenar a esposa após colocar a substância dietilenoglicol na cerveja da mulher no dia 11 de abril, na cidade de Mateus Leme, região metropolitana de Belo Horizonte.

Após ingerir a bebida contaminada, Gisele passou mal e foi internada em uma unidade de saúde.
Em estado grave, ela foi transferida, primeiro para Contagem e, depois, para a capital mineira, onde faleceu na última semana.

Ela acreditava que o mal-estar era consequência da covid-19, porque estava se recuperando da doença. Mas a verdade só foi descoberta porque o marido da vítima procurou a polícia e confessou o crime, alegando estar arrependido.

O homem disse ter comprado, pela internet, um frasco com 200 ml da substância tóxica e guardou o produto por dois meses para usá-lo em um "momento oportuno".
A filha do casal afirma que a família ficou irritada pelo suspeito ter premeditado o crime.

— Isso foi o que mais irritou a família. Por ele ter ficado com esse veneno praticamente dois meses em casa e ter esperado o momento certo.

Segundo a polícia, Kleber teria se inspirado na contaminação de cervejas da Backer, em 2019, quando a mesma substância intoxicou 29 pessoas. Entre elas, dez morreram e 16 tiveram sequelas graves.

Gisele morreu na última sexta-feira (7), depois de ficar 24 dias internada. O suspeito está preso desde o dia 19 de abril.

A polícia afirma que o suspeito foi indiciado por homicídio quadruplamente qualificado, pelas circunstâncias de motivo fútil, do emprego do veneno, do recurso que dificultou a defesa da vítima e pelo feminicídio.


Com informações do site: R7