domingo, 27 de junho de 2021

Advogado de Bolsonaro, Wassef entra sem máscara no Senado e se tranca no banheiro feminino


 
O advogado do presidente Jair Bolsonaro e do senador Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef, causou tumulto no Senado Federal na noite desta sexta-feira (25) enquanto acontecia a CPI da Covid, com depoimento dos irmãos Miranda, que denunciam um esquema  de corrupção na compra bilionária da vacina indiana Covaxin.

Sem usar máscara de proteção contra o coronavírus - ítem obrigatório nas dependências do Senado - Wassef foi questionado por repórteres sobre o que ele fazia ali. Se esquivando enquanto falava ao telefone, o advogado de Bolsonaro se trancou por engano no banheiro feminino. 

A Polícia Legislativa foi acionada, e ordenou que Wassef deixasse o banheiro feminino.  Em seguida, o advogado desligou o telefone e saiu do local, dessa vez falando à imprensa. 

Ele afirmou que seu sigilo bancário e fiscal foram quebrados pela CPI. "Eu tomei ciência no dia de hoje que o senador Renan Calheiros requereu e quebrou o meu sigilo bancário e fiscal indevidamente",  disse. "Eu queria sugerir à CPI, ao senhor Renan Calheiros, que a CPI não é mecanismo e não pode ser usada de forma indevida para quebrar os sigilos bancário e fiscal de cidadãos brasileiros. Eu sou advogado do senador Flávio, do presidente, eu tenho a imunidade, tenho as minhas prerrogativas e a CPI está sendo usada com desvio de finalidade e função", afirmou o advogado.

Ao saber da afirmação, Renan Calheiros afirmou na CPI que não houve quebra de sigilo de Wassef: “Foi uma informação imprecisa."

Senadores criticaram a postura do advogado, que entrou infringindo as regras da casa ao não usar máscara. O senador  Randolfe Rodrigues afirmou que pedirá informações sobre quem autorizou a entrada de Wassef no Senado.

Com informações do site: Portal Holanda