sexta-feira, 11 de junho de 2021

Modelo denuncia assédio de fotógrafo no DF: “Me pediu para ficar sem roupa”


 
Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga uma denúncia de assédio feita pela modelo e enfermeira Jeniffer Melina Mendes Meneses, 24 anos, contra um fotógrafo do DF. A jovem registrou ocorrência na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), na última terça-feira (8/6), que apura o caso.

O nome do fotógrafo, que tem um estúdio em Águas Claras, ainda não será divulgado pelo Metrópoles porque o processo está em fase de investigação, e a PCDF não apresentou denúncia formal contra ele, ainda em liberdade.

Nessa quarta (9/6), um dia após registrar a ocorrência na Deam, a jovem usou o próprio perfil na rede social Instagram para relatar o caso e estimular outras meninas que se encontram na mesma situação a também denunciarem o homem.

Segundo Jeniffer, tudo começou quando ele a procurou em março deste ano pelas redes sociais e perguntou se ela teria interesse em fazer parte da agência dele.

Jeniffer marcou um encontro pessoalmente no escritório do fotógrafo, que pediu que ela não estivesse acompanhada no dia da reunião.

“Eu fui, e ele me explicou que o intuito era ajudar, me fazer crescer. Como ele passava bastante credibilidade, a empresa existe desde 2008 e tem muitos seguidores nas redes sociais, acreditei. Na hora de fazer a avaliação, me pediu para ficar completamente sem roupa e disse que era procedimento padrão. Não tenho problemas com ensaio sem roupa feminino e não me importei naquele primeiro momento”, contou.

Após o primeiro ensaio, o agenciador assinou contrato com Jeniffer e prometeu para a modelo diversos trabalhos, tratamentos de beleza e matrícula em academia de ginástica. Porém, ele não arcou com os custos e pagou somente a primeira mensalidade da jovem. Neste momento, Jeniffer começou a desconfiar dele.

"Ele começou a dizer que eu precisava fazer ensaios sem roupa. A orientação era para que eu me tocasse durante as sessões. Foi aí que eu disse que não iria me tocar e indaguei para quem eram as fotos. Ele disse que vendia para interessados e pessoas do meio político. Que eu iria conseguir muito dinheiro por cada foto, mas precisaria fazer de acordo com as exigências que ele estava pedindo”, denunciou.

Quando o fotógrafo percebeu a resistência da jovem em fazer o que ele pedia, optou por rescindir o contrato via e-mail.

Ao desconfiar que outras mulheres também estivessem na mesma situação que ela e sofrendo abuso por parte do fotógrafo, a modelo contatou outras meninas da agência e descobriu não ser a única assediada.

“De cara, duas meninas me relatam que estavam sofrendo o mesmo assédio. Uma delas é menor de idade. Juntamos diversas provas e entregamos mais de 450 prints de conversas que ele mantinha com as agenciadas para a Delegacia de Atendimento à Mulher. Eu não sei onde foram parar as minhas fotos”, acrescentou.

Com informações do site: Metropoles.