sábado, 26 de junho de 2021

País recebe neste sábado mais 942 mil vacinas contra covid da Johnson


 
Foto: Reprodução

Desembarca neste sábado (26), no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), o lote remanescente de vacinas contra a covid-19 doadas pelos Estados Unidos. São 942 mil doses da Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, que somadas às mais de 2 milhões que chegaram nesta sexta-feira (25) de manhã no mesmo terminal aéreo, totalizarão 3 milhões de fármacos.

A principal vantagem da vacina da Johnson é a aplicação em dose única, diferentemente das demais marcas em uso no Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, que exigem duas aplicações para a completa proteção contra o coronavírus: CoronaVac, do Butantan/Sinovac; CoviShield, da Fiocruz/AstraZeneca/Oxford e ComiRNAty, da Pfizer.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que recepcionou ontem os imunizantes no aeroporto, ao lado do embaixador norte-americano no Brasil, Todd Chapman, comemorou o gesto humanitário dos Estados Unidos.

"Esses 3 milhões de doses representam um esforço extraordinário para a vacinação do Brasil e simboliza a grande amizade que existe entre nossos povos. Duas grandes nações e um mesmo objetivo: acabar com o caráter pandêmico da covid-19, que tanta infelicidade tem trazido para os nossos povos", disse.

Queiroga reafirmou a promessa de vacinar toda a população adulta brasileira até setembro. "Essas vacinas fazem parte do nosso esforço para garantir a imunização da população brasileira. Até setembro, 160 milhões de brasileiros devem receber 1 dose de esperança no braço. E com a doação do governo americano, iremos acelerar a esperança do nosso povo."

Conforme o embaixador, a doação das três milhões de vacinas ao Brasil custou mais de R$ 145 milhões aos cofres dos Estados Unidos. "Temos que confrontar [o coronavírus], e o presidente [Joe Biden] fez a promessa de distribuir as vacinas que temos para o mundo. Estou feliz de representá-lo nesta doação de doses, que valem mais de R$ 145 milhões. É a maior doação [de vacinas] que nós já fizemos a qualquer nação do mundo", pontuou Todd Chapman.

O governo dos Estados Unidos, que prometeu repassar de graça 80 milhões de vacinas contra o coronavírus aos países que mais precisam, afirmou que equipes científicas e autoridades legais e regulatórias de ambas as nações trabalharam juntas para garantir a entrega rápida das doses.

CoronaVac
Também hoje o governo de São Paulo informou que o Instituto Butantan receberá mais 6 mil litros de matéria-prima, o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) para a produção da CoronaVac. A carga é suficiente para fabricar mais 10 milhões de doses da vacina. O anunciou foi feito pelo governador João Doria (PSDB) no Palácio dos Bandeirantes no meio da semana.

A principal vantagem da vacina da Johnson é a aplicação em dose única, diferentemente das demais marcas em uso no Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, que exigem duas aplicações para a completa proteção contra o coronavírus: CoronaVac, do Butantan/Sinovac; CoviShield, da Fiocruz/AstraZeneca/Oxford e ComiRNAty, da Pfizer.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que recepcionou ontem os imunizantes no aeroporto, ao lado do embaixador norte-americano no Brasil, Todd Chapman, comemorou o gesto humanitário dos Estados Unidos.


Com informações do site: R7 Notícias.