quarta-feira, 9 de junho de 2021

Policial admite sequestro, estupro e assassinato de Sarah Everard


 
Foto: Reprodução
Wayne Couzens, policial acusado pela morte de Sarah Everard, cujo desaparecimento no início de março abalou o Reino Unido, admitiu nesta terça-feira (8/6) ser culpado pelo crime.

O policial participou de audiência no tribunal penal de Londres por videoconferência, a partir da prisão de segurança máxima de Belmarsh, onde está detido.

Wayne Couzens, de 48 anos, se declarou culpado pelo sequestro e estupro de Everard e admitiu sua responsabilidade na morte. Ele é agente da unidade de proteção diplomática da polícia de Londres.

Uma nova audiência do caso está prevista para 9 de julho, e o julgamento deve ocorrer em outubro.

Everard foi encontrada morta uma semana depois, em um bosque de Kent, no sudeste da Inglaterra, onde Couzens vivia. Ela estava dentro de uma mala.

Segundo o laudo da necropsia, a morte da jovem foi causada por uma "compressão do pescoço".

Seu desaparecimento e morte causaram grande comoção e protestos no Reino Unido, reavivando o debate sobre violência contra mulheres.

Apesar de as manifestações na época terem sido pacíficas, a polícia agiu com hostilidade. Flores e velas em homenagem a Sarah chegaram a ser pisoteadas.

A polícia também negou permissão para uma vigília perto de onde Sarah foi vista com vida pela última vez, citando medidas para prevenir a disseminação do coronavírus.

Mas centenas de pessoas, a maioria mulheres, se reuniram pacificamente no parque mesmo assim, incluindo Kate Middleton, a duquesa de Cambridge.

PORTAL  SBN |  COM INFORMAÇÕES DO G1