sexta-feira, 9 de julho de 2021

A mulher que morreu esperando remédio no ministério de Barros, alvo da CPI


 
Foto: Reprodução
Na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o deputado federal Luis Claudio Miranda (DEM-DF) afirmou que, ao avisar o presidente Jair Bolsonaro sobre a suspeita de irregularidades na venda da vacina indiana Covaxin pela Precisa Medicamentos ao Ministério da Saúde, o mandatário disse que a denúncia parecia ser um "rolo" do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara e ministro da Saúde entre 2016 e 2018.

Irmão do deputado Luis Claudio Miranda e servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda também prestou depoimento à CPI no final de junho, onde afirmou que o suposto esquema na venda da Covaxin se refletiu, no ministério, em uma "pressão atípica e excessiva" pela compra do imunizante — e também pelo pagamento antecipado.

Assistindo à TV na sua casa em Ouro Branco (MG), a ex-policial militar Ruth Helena Mendes, 52 anos, diz que as notícias envolvendo Barros, hoje parlamentar, soaram para ela como a repetição de uma história de quando este foi ministro da Saúde, durante a presidência de Michel Temer (MDB).

Daquele tempo, o político do PP carrega uma ação civil pública por improbidade administrativa, aberta no final de 2018 e atualmente tramitando na primeira instância da Justiça Federal de Brasília. Segundo acusação do Ministério Público Federal (MPF) no Distrito Federal, Barros e quatro servidores em sua gestão "aproveitaram-se das posições que ocupavam para cometer atos ilícitos em benefício de terceiros" — as empresas Global e Oncolabor/Tuttopharma —, causando "prejuízos ao erário" e "a morte de pelo menos 14 pacientes".

Uma dessas vítimas foi Margareth Maria Mendes, irmã de Ruth, que ficou meses sem o medicamento Soliris para tratar a doença rara que tinha, a hemoglobinúria paroxística noturna (HPN), e morreu em 26 de fevereiro de 2018.


A ação do MPF denuncia improbidade na venda do Soliris pela Oncolabor/Tuttopharma; e também dos medicamentos Aldurazyme, Fabrazyme, Myozyme e Elaprase, comprados da Global, em contrato fechado pelo ministério da Saúde.

Ouvidos na investigação da procuradoria, funcionários do ministério relataram pressão de Barros, enquanto ministro, para liberar o pagamento antecipado à empresa Global. Logo que o contrato com a empresa foi firmado, concorrentes escreveram formalmente ao Ministério da Saúde informando que a Global não tinha aval das fabricantes nem autorização da Anvisa para importar os remédios. A partir daí, foram meses sem que os remédios fossem efetivamente entregues pela empresa, levando ao desabastecimento, adoecimento e morte de pacientes.

"A sensação é que a história se repete, né? Ver essas notícias (denúncias de envolvimento de Barros em irregularidades na compra da Covaxin) traz um sentimento de impotência e indignação, uma revolta tamanha da nossa família toda", diz Ruth, para quem a ação aberta pelo MPF caminha na Justiça Federal de Brasília com "lentidão".

Os contratos do ministério com a Global e a Oncolabor/Tuttopharma visavam atender a demandas judiciais vencidas por pessoas com doenças raras, obrigando o Estado a fornecer os medicamentos. Margareth era uma delas e, além de buscar tratamento para si mesma, era representante nacional da Associação dos Familiares, Amigos e Portadores de Doenças Graves (AFAG).

Por esta atuação, Margareth, que era socióloga, participou de reuniões e audiências públicas em Brasília, inclusive confrontando Barros sobre a falta daqueles cinco remédios no segundo semestre de 2017, segundo conta a irmã.


"Eu gostaria que ele (Barros) soubesse que aquela que esteve à frente dele ali, faleceu por responsabilidade dele, sabe?", diz Ruth à BBC News Brasil por videoconferência. "Ela tinha medida judicial, e o ministro descumpriu as ordens judiciais. Não só dela."

"As empresas Global e Oncolabor não estavam habilitadas para a compra de medicamentos, e estava sendo feito um trabalho ali (no ministério) para favorecer essas empresas."

Procuradas pela reportagem, a Global e a Oncolabor (representante no Brasil da Tuttopharma) não responderam a pedidos de posicionamento feitos por telefone e email. As empresas têm sede, respectivamente, em Barueri (SP) e Montes Claros (MG).

A assessoria de imprensa do MPF-DF afirmou que a procuradora Luciana Loureiro Oliveira, responsável pela ação civil pública, não poderia conceder entrevista por estar de férias.

Já o deputado federal e ex-ministro Ricardo Barros afirmou em nota que "não se comprovará qualquer irregularidade" na ação do MPF, que o imbróglio envolvendo a Global e a Oncolabor/Tuttopharma "não tem relação com as mortes citadas" e que sua gestão promoveu "uma economia superior a R$ 5 bilhões ao sistema de saúde que puderam ser reinvestidos, implementando novos sistemas de compra" de medicamentos (leia mais trechos do posicionamento de Barros abaixo).

Meses sem remédios


Ruth relata que sua irmã foi diagnosticada com HPN em 2012, e morreu em fevereiro de 2018 no hospital, aos 45 anos de idade por complicações da doença — e pela falta de tratamento. A doença rara é causada por uma alteração genética nas células-tronco que leva a distúrbios no sangue, como a destruição de glóbulos vermelhos. Com isso, os pacientes podem sentir muito cansaço, apresentar palidez e desenvolver consequências mais graves, como trombose.

"Desde que recebeu diagnóstico, minha irmã não ficou sem medicamentos", conta Ruth. "Mas, em junho de 2017, começou a ter atrasos e a partir daí ela não recebeu mais. Em novembro, ela recebeu uma dose emergencial com muita luta, mas foi só por um mês. Os sintomas foram avançando, as plaquetas foram caindo, e quando ela se internou, já não resistiu."

"Ela já sabia que, se continuasse sem medicamento, a perspectiva de vida era curta. Então, ela escreveu um e-mail e falou: 'Se me acontecer alguma coisa, eu mandei um e-mail, mas não é para abrir. Só se me acontecer alguma coisa.' Depois que ela faleceu, sete dias depois, fomos ver o e-mail. Era tipo um testamento vital, sabe?", conta a policial militar de reserva.

Ruth enviou à reportagem um trecho do e-mail escrito por Margareth: "Se eu morrer pela falta de medicamentos por atraso, desejo que denunciem ao Ministério Público esse descaso com a vida".

A partida da irmã deixa Ruth até hoje "muito prostrada" e "com um remorso muito grande", segundo ela mesma descreve.

"Ao todo, éramos dez irmãos. Nossa família é muito, muito unida, graças a Deus. Ela (Margareth) é um pedaço que nos falta", diz a policial, emocionada.

A denúncia feita a pedido de Margareth ao Ministério Público resultou na ação civil pública apresentada pela procuradora Luciana Loureiro contra Barros, quatro ex-servidores do Ministério da Saúde e a Global em dezembro de 2018.

A ação pede ressarcimento pelos danos causados à administração pública, no valor de R$ 19,9 milhões; e de R$ 100 milhões pelos danos morais às vítimas. A Oncolabor/Tuttopharma é citada diversas vezes na acusação, mas não foi acionada.

As 14 vítimas fatais da falta de medicamentos para doenças raras são listadas no documento: Alan Santos; Antônia Lucinda; Claudio Danilo; Diego Wallace; Henrique Rodrigues da Costa; Jucilene Pedrosa; Kyuken Kanashiro; Margareth Mendes; Maria das Neves; Maria de Lourdes; Matheus de Queirós; Thainá Cabral; Valdomiro; e Wellinton Gross.

Além da HPN, o conjunto de remédios que passou por desabastecimento e problemas nos contratos entre 2017 e 2018 servia também para condições raras como a mucopolissacaridose tipos I e II a doença de Fabry e a doença de Pompe.

De acordo com Ruth, ver tantos pacientes sofrendo sem remédios agravou o próprio quadro de saúde de Margareth.

"O emocional diminui a questão da imunidade, e às vezes ela ficava muito abalada, principalmente quando começou a ver a morte de pacientes por falta de medicamentos. Isso mexeu muito com ela, ela esqueceu até dela mesma."

"Em janeiro (de 2018), ela já estava num período assim de muita, muita, muita fraqueza, muito cansaço, sabe? Teve audiências, reuniões, que ela já não conseguiu participar, mas mesmo de longe ela tava dando todo o suporte", conta Ruth, que diz conhecer pacientes que conseguiram sobreviver à falta dos remédios, mas até hoje sofrem com consequências do desabastecimento neste período.

"Ela era a voz dos portadores de doenças raras no Brasil. Tanto que recebemos muitas mensagens de pessoas dizendo que se sentiram órfãs com a morte dela."

Com informações do site: BBC NEWS