quarta-feira, 21 de julho de 2021

Buscas pelos bombeiros desaparecidos após incêndio continuam


 
Foto: Reprodução

Passado dias do incêndio que tomou conta do prédio onde funcionava a sede da Secretaria de Segurança Pública (SSP) em Porto Alegre, dois bombeiros que ajudaram no trabalho de combate ao incêndio continuam desaparecidos. Após as buscas pelo tenente Deroci de Almeida da Costa, 46 anos,  e o sargento Lúcio Ubirajara de Freitas Munhos, 51, durante a madrugada, as equipes continuam o trabalho neste sábado. 

Em homenagem e respeito à bravura dos profissionais Deroci e Lúcio, os bombeiros prestaram continência e uma salva de palmas aos dois colegas. As equipes também reforçaram o compromisso de permanecer nas buscas até localizá-los.

Desde que as equipes conseguiram acessar o interior do prédio, as buscas seguem de forma ininterruptas. As equipes se revezam e contam com ajuda de especialistas, já que a estrutura não é completamente segura. O uso de drones ajuda a identificar como ficou a estrutura do prédio.  Equipes de binômios - nomes dados para duplas formadas por homem e cachorro - ajudam a procurar os dois servidores do Corpo de Bombeiros. Participam da equipe bombeiros e cachorros de Santa Maria, com experiência em outras ocorrências de desaparecimento: os cães Moli e Guapo estão trabalhando junto com os soldados Estefânio e Machado e com o sargento Brum. Do lado de fora do prédio, o Exército montou barracas que são utilizadas para as trocas de turnos.

Ainda na manhã deste sábado, profissionais do Corpo de Bombeiros Militar (CBMRS) e da SSP se reuniram com engenheiros de entidades públicas e privadas, que ajudam nas buscas. O comandante do 1° BBM Porto Alegre, tenente-coronel Eduardo Estevam Rodrigues, conta que durante a madrugada, as equipes de busca e resgate de estruturas colapsadas liberaram os acessos necessários para as equipes, as quais realizam a análise estrutural da edificação e avaliam a situação da estabilidade do prédio:

- Eles estão fazendo o reconhecimento da edificação e planejando toda a logística necessária para o escoramento e estabilização do prédio. Isso dará a segurança adequada para que as equipes façam, metro a metro, o avanço necessário nas demais estruturas e áreas para localizarmos os bombeiros militares - explica.

O INCÊNDIO
O incêndio no prédio onde funcionavam os serviços administrativos da SSP e da Secretaria de Administração Penitenciária (Seapen), começou na noite de quarta-feira e às 21h39min os bombeiros foram acionados. As primeiras guarnições a atender a ocorrência chegaram ao local em um intervalo de três a quatro minutos após o chamado. No total, mais de 70 pessoas entre bombeiros civis e bombeiros voluntários atuaram para combater as chamas. Um grupo de 40 a 50 servidores que trabalham no turno da noite estava no prédio quando as chamas começaram, e todos conseguiram deixar o imóvel.

INVESTIGAÇÕES
Um inquérito policial foi aberto pela Polícia Civil para apurar as causas do incêndio. O caso está sendo investigado como incêndio culposo, mas, como nenhuma hipótese pode ser descartada, a verificação do caso também passará pela possibilidade de incêndio criminoso. Um processo administrativo também vai investigar a origem do incêndio. 

O Instituto-Geral de Perícias (IGP) acredita que não será possível esclarecer totalmente as causas do incêndio. Pois o local onde testemunhas disseram que as chamas teriam começado, no 4º andar do prédio, desabou em partes com o fogo. Como os vestígios e indícios do que provocou as chamas pode ter sido destruído com o fogo, as causas podem ser presumidas.

Com informações do site: Bei Net.