quinta-feira, 8 de julho de 2021

Filha e neto escapam, mas avó morre carbonizada em incêndio


 
Foto: Reprodução

Idosa, de 72 anos, morreu carbonizada durante incêndio em residência na noite desta quarta-feira (07), na Rua Spipe Calarge, na Vila Carlota, em Campo Grande. A filha e neto da vítima foram resgatados em meio às chamas e passam bem. Ainda não se sabe o que teria causado o incêndio. 

Quando os militares do Corpo de Bombeiros chegaram ao local o fogo já havia tomado conta de parte do imóvel que era de madeira.
Um veículo Nivus, estacionado na garagem, também estava em chamas. A mulher e a criança estavam presos dentro de casa. 

"A porta da frente estava emperrada, tivemos de usar um desencarcerador para conseguir abrir e retirar as duas vítimas. Foi então que a jovem nos informou que a mãe dela estava nos fundos do imóvel", comenta o major André, oficial do Corpo de Bombeiros do quartel da Costa e Silva. O anexo de madeira de residência foi completamente destruído pelas chamas. A vítima, identificada apenas como Iva, foi encontrada morta em meio aos escombros. "O fogo queimou cerca de 50 m²", completa André.

Uma das primeiras testemunhas a chegar no local, o cabo da Polícia Militar, Elton Luiz, de 37 anos, disse que o cenário era de caos no momento do incêndio.
"Eu estava em casa quando vi o clarão e as fuligens caindo e vim correndo ver o que havia acontecido. Até então as pessoas estavam apenas sinalizando o trânsito", comenta.

O policial conta que o portão de elevação da residência estava aberto. "Estava pegando fogo do meio da residência para o fundo então eu e outros dois rapazes decidimos entrar. Como a porta estava emperrada, aparentemente com entulho, nós quebramo o vidro e começamos a chamar para ver se havia alguém lá dentro e foi quando a jovem e o garoto apareceram. Eles estavam tentando se abrigar no banheiro, pedimos para eles se acalmarem e na sequência os bombeiros chegaram", conta.

"Infelizmente não conseguimos ajudar a salvar todos eles, mas só de ser abraçado pela jovem e ouvir que se não fosse pela nossa ajuda para tirar ela lá de dentro, iria morrer todo mundo, é a melhor recompensa", completa o policial.

Foram gastos cerca de 5 mil litros de água para conter as chamas. A ocorrência mobilizou militares em viaturas dos quarteis da Costa e Silva, Central e Coronel Antonino. Durante o rescaldo das chamas o trânsito pela rua no trecho entre a Avenida Noroeste e do Cruzeiro foi interditado. Peritos da Polícia Civil e delegada plantonista da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher ) estão no local investigando as circunstâncias do incêndio. 

Com informações do site:  campograndenews