quarta-feira, 7 de julho de 2021

Homem não aceita fim de relacionamento e manda 'fotos intimas' para o sogro


 
Foto: Jaime Zanatta/GBC
Em operação realizada na cidade de Canoas nesta terça-feira, 6 de julho, um homem foi preso, acusado de espalhar fotos íntimas de sua ex-companheira. Segundo apurado pela Polícia Civil, ele enviou fotos íntimas da vítima e dele para o sogro, além de espalhar em redes sociais e publicar em sites de prostituição.

Durante a Operação Mosaico, a Polícia deve o homem que é acusado deameaçar a vítima. A prisão ocorreu na residência do acusado, no bairro Igara, em Canoas.

De acordo com a delegada Clarissa Demartini, que investigou o caso, a vítima denunciou o criminoso e obteve uma Medida Protetiva.

Porém, o homem vinha coagindo ela para que a solicitação fosse retirada. Se ela não retirasse, ele iria espalhar ainda mais as fotos dela.

“Durante o relacionamento o casal fez algumas fotos. No término, ele começou a mandar as fotos para o pai da vítima”, relata.
O preso tem diversos antecedentes criminais. Além dele, mais seis criminosos foram presos.

Eles são acusados de tentativa de feminicídio, de tentar estuprar suas companheiras e em um dos casos, um conhecido ladrão de bancos fazia a esposa fazer vídeo chamada, a madrugada inteira, para provar que ela estava dormindo e sozinha em casa.

No total, os mais de 60 policiais que saíram as ruas, cumpriram 21 ordens judiciais, sendo 21 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva. Foram apreendidos objetos utilizados para ameaça e agressão contra as vítimas, como faças e armas de fogo.

“A ação desenvolvida tem a finalidade de dar visibilidade ao combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. São diversas histórias que se unem pelo pano de fundo que é a desigualdade de gênero”, relata a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher.
O diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (2ª DPRM), delegado regional Mario Souza, ressalta que se percebe uma diminuição no número de ocorrências, mas o aumento da gravidade delas.

“Diversos investigados possuem antecedentes por outros crimes, o que reforça o risco ao qual a mulher está submetida.”

Com informações do site: AGENCIA GBC