sexta-feira, 30 de julho de 2021

Rodeada de netos, vovó conta como enfrentou a pandemia sem abraços


Foto: Reprodução
Mãe de 6 filhos, avó de 15 netos e bisavó de 14 bisnetos, Guiomar Lopes Cedraz, de 91 anos de idade, não se cansa de demonstrar amor e carinho a toda família.

A matriarca da família nasceu em Valente, mas mora em Feira de Santana há 70 anos. Ela contou ao Acorda Cidade que quando recebeu a notícia que seria avó pela primeira vez, a emoção foi tão grande, que segundo ela, superou a sensação de quando descobriu que estava grávida do primeiro filho.

"Meu primeiro neto, quem me deu foi Edson, apesar dele ser o mais novo, foi quem casou primeiro. Meu Deus, foi uma emoção tão grande que posso dizer que não tem comparação quando eu tive meu primeiro filho. Eu posso dizer que nunca tinha sentido uma reação como aquela", afirmou.

Sempre rodeada pela família, principalmente pelos netos e bisnetos, Dona Guiomar destacou que o período da pandemia, sobretudo no início, foi um momento terrível, porque só podia ver a família com distância e não podia dar aquele abraço apertado.

"Eu fiquei doente, meu cabelo já caiu todo praticamente, eu fiquei assanhando assim para o lado para ninguém ver o casco da cabeça, mas foi horrível, foi terrível, porque eu sempre gostei de sair. Gosto de me divertir, passear, caminhar e nem isso eu estou podendo fazer, primeiro por conta da pandemia e com problemas de artrose, mas eu já viajei bastante e agora, presa dentro de casa, quase caí em uma depressão. Eu lembro que quando a coisa começou a apertar mesmo, aí meus filhos com meus netos vinham com pouca frequência, eu chorava, sentia uma falta porque eles me beijam, me abraçam, me dizem que estou cheirosa e quando eles vinham pra cá, ficavam ali distante, dizendo que não poderiam me abraçar e eu retrucava que não, eu dizia, 'estou carente, eu quero um abraço, eu quero um beijo' e eles diziam: não vó, estamos lhe poupando, então com isso eu ficava desesperada", contou

Quem nunca foi paparicado pela avó ou simplesmente sair para visitá-la e ganhar um verdadeiro banquete para se alimentar? Dona Guiomar que sempre teve o cuidado com a alimentação dos filhos e dos netos, foi surpreendida durante um ensaio fotográfico. Segundo ela, foi o momento de “vingança dos netos”.

"Eles fizeram uma brincadeira comigo, porque desde pequenos, desde os filhos aos netos, não gostavam de comer e eu ficava ali só colocando comida no prato, depois de grande quando vem aqui em casa, na hora do almoço eu dizia, bote mais meu filho, respondiam, não minha mãe, está bom. Eu chegava e falava, o que é aquilo ali? E tome comida no prato deles. E isso eu fiz minha vida inteira. Quando foi recentemente, eles fizeram uma gracinha comigo, minha neta que é fotógrafa preparou um dia de fotos para o dia das avós, e aí todo mundo tirando foto, do nada, desceram e eu fiquei na sala vazia, pensei que estavam olhando as fotos. Fizeram um tal de macarrão e vieram com os pratos cheios e me fizeram comer tudo e aí eu não aguentei", brincou dona Guiomar relembrando o episódio.

Considerada pela família como muito vaidosa, dona Guiomar explicou que não se sente desta forma e, mudando de assunto, afirmou que não há comparação neste mundo com relação ao carinho que sente pelos netos.

"Ave Maria! Meus netos e bisnetos, posso dizer que não há comparação meu Deus do céu, são umas verdadeiras joias para mim, são joias preciosas que eu nem sei como descrever. Meus filhos dizem que sou vaidosa, tem essa mania de dizer, mas eu não sou", disse ao Acorda Cidade.

Casada desde os 19 anos de idade, a matriarca da família explicou que se questiona todos os dias com Deus, se realmente merece todo amor e carinho da família.

"Eu me casei com 19 anos de idade e posso dizer que sou uma pessoa tão feliz que eu paro assim e pergunto, meu Deus, eu mereço tanto assim? O que meus filhos, netos e bisnetos fazem por mim é incomparável. Todos eles não falham em vir aqui em casa, pelo menos três a quatro vezes por semana. Teve uma vez, que Clóvis me ligou dizendo que iríamos sair, aí rodou rodou, eu perguntei, meu filho, para onde vamos? Ele respondia,: a gente vai dar uma passeada. Quando não, chega em uma mercearia, compra o carvão, aí já desconfio com ele que vamos para a chácara, aí eu brigo com ele, mas é na brincadeira. Outro dia, me ligou, estava chovendo, dizendo que iria passar aqui para me buscar, eu perguntei, vai pra onde? Ele falou que iria para chácara, eu disse, para a chácara eu não vou, mas se for para a praia pode passar aqui, aí ele respondeu: mas a senhora é ousada viu.", contou rindo Dona Guiomar, com um sorrisão no rosto.


Com informações do site: Acorda cidade