quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Amor de mãe? Casal homoafetivo tortura e mata menino de 7 anos


 
(Foto: Reprodução)
A Polícia Civil do Rio Grande do Sul, que tem investigado a morte do menino Miguel dos Santos Rodrigues, de sete anos, divulgou hoje um vídeo onde a madrasta faz ameaças contra o garoto: “Se a tua mãe chegar e tu te mijar eu te desmonto a pau”, diz. A suspeita é de que Miguel, que era mantido preso e amarrado em um guarda-roupas, tenha sido dopado pela mãe e posteriormente jogado no rio Tramandaí (RS).

No vídeo, o menino aparece dentro de um armário onde, segundo o delegado Antônio Carlos Ractz, era mantido amarrado. Na gravação é possível ouvir claramente a madrasta dizer "se a tua mãe chegar e tu te mijar, eu te desmonto a pau. Eu te desmonto, eu te desmonto, eu te desmonto, e tu vai sair todo quebrado! Se tu se mijar, eu pego teu mijo e esfrego na tua cara, tu tá entendendo? E vai ser bem tranquilo pra mim."

Foram divulgados, ainda, prints de conversas entre a mãe e a madrasta do menino, a respeito da compra de uma corrente para prender a criança. Nos diálogos, também é citado o nome Lorenzo, que acordo com o depoimento da madrasta, seria um amigo imaginário do garoto. “O Miguel se soltou daí o Lorenzo prendeu ele de novo, deu comida pra ele. Ele mandou te dizer pra ti prender mais forte”, escreveu a mulher.

Em conversas com a irmã, a quem se refere como "feia", a madrasta diz que a criança prejudicou o relacionamento entre ela e a mãe.  “Ele se cagou e fingiu isso para ela limpar. E eu dizendo que era fingimento e ela caiu”, relatou nas mensagens.

Yasmin Vaz dos Santos, de 26 anos, mãe de Miguel, foi presa em flagrante sexta-feira passada (30), suspeita de matar o filho de apenas sete anos após dopá-lo e jogar o corpo no rio Tramandaí, no município de Imbé (RS). Segundo a Polícia Civil, a mãe chegou a registrar o desaparecimento da criança, mas terminou por confessar o crime. A polícia apura se a companheira da mulher também teve participação na morte do garoto.

A mochila de rodinhas que Yasmin teria supostamente usado para transportar o cadáver do menino até o rio foi apreendida. Vizinhos e policiais militares também foram ouvidos sobre o caso.

Com informações do site: G1