segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Caso Miguel: mãe e madrasta se dão mal após decisão tomada pela polícia


 


Foto: Reprodução

Yasmin Rodrigues, de 26 anos, e Bruna Nathiele, de 23, são a mãe e madrasta agora indiciadas pela morte do menino Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos, em Imbé, Rio Grande do Sul. O caso aconteceu no dia 28 de julho e o corpo do garoto ainda não foi encontrado.

A mãe, Yasmin, teria dado remédios à criança, colocado o corpo em uma mala e levado a um local onde jogou no Rio Tramandaí. As buscas do Corpo de Bombeiros se concentravam no rio e no mar, mas agora também estão sendo feitas por terra já que se considera que a versão de Yasmin possa estar errada.

O crime chocou a pequena cidade litorânea de Imbé. Na investigação, a Polícia Civil descobriu que o menino era vítima de maus-tratos. Vídeo mostra Bruna ameaçando o garoto, que vivia preso dentro de um armário. Mãe e madrasta também conversaram sobre a compra de uma corrente para prender o menino.

Miguel tinha um caderno onde escrevia frases dizendo que ‘era mau’ e que ‘não merecia ser filho de Yasmin’. A polícia constatou que ele sofria tortura psicológica. No sábado (7), o inquérito foi finalizado e a Polícia Civil indicou Yasmin e Bruna por homicídio com dois qualificadores: impossibilidade defesa da vítima e meio cruel.

Elas vão responder também por tortura e ocultação de cadáver. A pena deve ser aumentada devido ao crime ter sido praticado contra uma criança. A defesa de Bruna alega que ela era vítima de violência psicológica por parte de Yasmin. Pessoas que conheciam Yasmin afirmaram que ela mudou com o filho após conhecer Bruna. As duas estão presas. Yasmin teve prisão preventiva decretada e tentou tirar a própria vida na cadeia. Bruna está presa temporariamente e também tentou se matar na prisão.

Com informações do site: i7news