sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Menino de 3 anos morre em questão de horas e gera onda da desinformação


 


Foto: Reprodução

A morte trágica e repentina de um menino de 3 anos, na noite dessa quarta-feira (25), em Campo Grande, causou alvoroço em grupos de WhatsApp e o compartilhamento de muita desinformação. Como um dos sintomas da criança foi insuficiência respiratória, a primeira suspeita levantada foi de que a covid-19 havia levado o garoto.

Logo que foi distribuída a “notícia” de a que a infecção pelo novo coronavírus havia sido descartada, passou-se a levantar outras hipóteses como causa do óbito: alergia alimentar, infecção bacteriana aguda ou acometimento por um vírus, tão letal quanto o da covid. Houve quem dissesse que por causa da ingestão de mortadela, o menino teve reação alérgica grave, o que provocou a morte.

A verdade é que a morte do garotinho ainda é mistério, também para a família. O Campo Grande News apurou que uma alergia ou intoxicação alimentar são possibilidades investigadas, mas nada está confirmado ainda. A reportagem levantou também que de fato, a criança teve episódio de reação alérgica após ingerir mortadela, mas há cerca de 15 dias.

Ontem, ainda de acordo com a apuração do Campo Grande News, o garoto não acordou bem, vomitou e teve febre. Ele foi levado pela família para o Hospital São Lucas no meio da tarde, o quadro se agravou rápido, no início da noite, precisou passar por traqueostomia para que voltasse a respirar, mas em menos de uma hora após o procedimento, o óbito foi constatado.

Hoje, o luto e medo tomou conta de pais dos coleguinhas de escola da criança. O Colégio Tic Tac, onde o garotinho estudava, fez publicação de pesar nas redes sociais por volta do meio-dia. “Hoje o dia amanheceu nublado e triste. Ontem, perdemos uma estrelinha do nosso colégio”, diz o texto.

Por meio de nota, enviada à reportagem, a escola esclareceu que “a direção do colégio apenas tem a informação que o óbito se deu por complicações de saúde da criança na noite de quarta-feira em ambiente hospitalar” e que a suspeita de covid foi “descartada por exames realizados no local”.

A instituição confirmou ainda que a causa da morte ainda não está explicada. “O laudo da necropsia ainda não foi liberado”.

O Hospital São Lucas informou que não vai se manifestar sobre o assunto e a Santa Casa de Campo Grande, onde foram realizados exames necroscópicos, explicou que apenas locou sala para a realização de necropsia particular. Laudo e prontuário, portanto, pertencem ao hospital de origem do paciente.

Nesta tarde, familiares e amigos da família puderam se reunir para o velório e sepultamento. “Prestamos os mais sinceros sentimentos e pêsames a esta família enlutada, e a todos aqueles que conviveram com esta criança de luz nesta vida, principalmente alegrando nossos encontros escolares a qual tivemos o privilégio de compartilhar boas memórias”, também registrou o colégio em nota. 

Com informações do site: campograndenews