quinta-feira, 26 de agosto de 2021

O que é a "síndrome de Havana"?


 


Foto: Reprodução

Diplomatas americanos em diferentes países relataram nos últimos anos sintomas crônicos como vertigem, enxaqueca e falta de equilíbrio. Últimos casos foram no Vietnã. Origem ainda é mistério.A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, deveria voar de Cingapura para o Vietnã na terça-feira à tarde (24/08), para uma reunião com o presidente Nguyen Xuan Phuc. Mas a decolagem foi adiada por mais de três horas, depois que sua equipe foi informada de dois possíveis casos da chamada "síndrome de Havana" na capital vietnamita.

Um comunicado da Embaixada dos EUA em Hanói não falou em "síndrome de Havana", mas em um "evento de saúde anormal". É um termo pouco usual que os diplomatas americanos usam sempre que falam da síndrome. Mas do que se trata ela exatamente?

Primeiros casos foram em Cuba

A síndrome misteriosa apareceu pela primeira vez em 2016. Naquela época, dezenas de casos foram detectados entre diplomatas americanos e canadenses e parentes na capital cubana. Os afetados sofriam de sonolência, fadiga, enxaqueca, problemas auditivos e visuais. Alguns perderam permanentemente a audição.

Desde os incidentes em Cuba, os sintomas são repetidamente relatados por diplomatas e funcionários da inteligência dos EUA em países como Rússia, China, Áustria e, mais recentemente, em Berlim. Entre os sintomas relatos estão náuseas, tonturas, fortes dores de cabeça, dores de ouvido e fadiga, e alguns afetados não conseguiam sequer trabalhar, escreveu o jornal The Wall Street Journal.

Há notícias também de agentes americanos com a misteriosa síndrome em outros países europeus, segundo o jornal. Alguns dos que sofreram com sintomas eram encarregados de temas como a exportação de gás, segurança cibernética ou interferência política.

Sintomas aparecem repentinamente

Os sintomas aparecem muito de repente. Uma pessoa afetada em Moscou em 2017, por exemplo, sentiu algo pela primeira vez enquanto estava deitada na cama à noite, como relatado pela revista GQ. Devido ao enjoo, primeiro pensou que se tratasse de intoxicação alimentar, mas depois se sentiu tão tonta que caiu quando tentou chegar ao banheiro.

Parecia "que eu ia vomitar e desmaiar ao mesmo tempo", disse o funcionário da CIA à revista. Tudo isso o pegou completamente desprevenido. Ao contrário de alguns cidadãos americanos na embaixada em Havana em 2016, por exemplo, ele diz não ter ouvido nenhum som agudo.

Especialistas do Centro de Lesões Cerebrais da Universidade da Pensilvânia estudaram alguns dos cidadãos americanos que foram afetados em Cuba e publicaram um estudo no Journal of the American Medical Association em 2018. Nele, os pesquisadores escreveram que os pacientes estavam gravemente debilitados em seu equilíbrio, habilidades cognitivas, motoras e sensoriais - sintomas parecidos com os de quem sofreu uma concussão severa.

Mas, ao contrário das concussões, os sintomas não desapareceram: no máximo, diminuíram de vez em quando, apenas para retornar com força concentrada.

As possíveis causas investigadas

A coordenadora de inteligência dos EUA Avril Haines disse recentemente que as autoridades continuam inseguras sobre o que está causando os "eventos de saúde anormais". Mas as possibilidades investigadas são muitas.

Uma delas foi manifestada por especialistas da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, em dezembro de 2020: eles suspeitam que a exposição direta àradiação de micro-ondas foi a provável causa do que ficou conhecido como "síndrome de Havana" .

O estudo não cita uma fonte de energia e não afirma categoricamente que ela foi fruto de um ataque deliberado, embora não o descarte. Mas destaca que pesquisas anteriores sobre os efeitos de ondas de radiofrequência pulsadas foram realizadas na antiga União Soviética.

Outros pesquisadores chegam a cogitar que armas de micro-ondas estariam sendo usadas especificamente contra diplomatas, funcionários dos serviços secretos e suas famílias. Tais armas, que utilizam radiação de alta frequência, já foram desenvolvidas.

Esta explicação, segundo os pesquisadores, é mais provável do que outras causas anteriormente consideradas, tais como doenças tropicais, uso de pesticidas ou problemas psicológicos.

As micro-ondas operam na faixa de 1 a 300 gigahertz. O forno micro-micro-ondas que muitos têm em casa aquece as refeições a uma frequência de 2,5 gigahertz. À medida que a frequência aumenta, a radiação se torna mais energética. Com equipamento apropriado, ele pode ser direcionado às pessoas, e os raios então penetram no corpo a uma profundidade que depende da frequência. O Departamento de Defesa dos EUA, por exemplo, desenvolveu um sistema de armas que utiliza micro-ondas com uma frequência de 95 gigahertz.

Outra possibilidade é o uso de armas sônicas. Por exemplo, alguns afetados em Havana ouviram um som penetrante antes de seus sintomas começarem. Outros pacientes com a síndrome, no entanto, não ouviram nada.

Pode haver sistemas que permitam ataques na faixa inaudível. Mas pouco se sabe sobre eles, exceto que militares realizaram pesquisas sobre o tema no passado. Até agora, a sua existência foi classificada por especialistas como muito improvável.

Assim como não se sabe o que está por trás da "síndrome de Havana", também não está claro quem seria o responsável por causá-la. Em maio, funcionários do governo dos EUA disseram em condição de anonimato à revista Politico que suspeitavam que a agência de inteligência militar da Rússia estaria por trás dos ataques. A Casa Branca, entretanto, não fez nenhuma acusação oficial.


Com informações do site: Terra