sábado, 7 de agosto de 2021

Polícia resgata mulher vítima de exploração;criminosos a obrigaram a fazer programa até por videochamada


 


Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Rio de Janeiro resgatou na quinta-feira (5) uma mulher vítima de exploração sexual em Madureira, na Zona Norte da cidade. Ela veio para a cidade atraída pelo anúncio de emprego em uma lanchonete, mas quando chegou foi obrigada a se prostituir. Ela foi obrigada a fazer programas de maneira presencial e por videochamada.

O emprego oferecido à vítima envolvia o trabalho na lanchonete e um local de moradia. Quando ela chegou lá, descobriu que seria obrigada a se prostituir.

"Quando chegamos lá, ele me mostrou a possível lanchonete e o edifício que a gente ia estar hospedando, né? A gente subiu o elevador normalmente. Quando chegou da porta para dentro, ele tomou a minha bolsa, já foi puxando meu cabelo, explicando que eu fui enganada, que o trabalho era como garota de programa. Naquele momento eu falei com ele que eu não queria, que eu queria ir embora, queria ir lá para a minha família, que eu tinha uma família, que eu tinha uma filha", afirmou a mulher.

Mesmo com os apelos, o homem continuou a agredir.

"Ele começou a ser totalmente agressivo, foi onde ele puxou o meu cabelo, me mandou tirar a roupa, que ele ia fazer umas fotos, que já iria divulgar no site já", contou a vítima.

A vítima chegou de Belo Horizonte há dois dias e foi mantida em cárcere privado. Ela chegou a ser estuprada por um dos integrantes do grupo criminoso. Em um descuido dos bandidos, ela conseguiu se comunicar com familiares na capital mineira e avisar o que estava acontecendo.

"Eu fui obrigada a fazer dois programas, com clientes diferentes, e dois por vídeochamada. E hoje de manhã, eles tiveram uma mudança, do apartamento onde eles estavam para um outro local. Eu fiquei totalmente vendada, não sabia pra onde estava indo, eu não conseguia ver nada, e chegando neste local, teve a mudança, depois a gente foi pra casa do dono. Aí, chegando lá, eles me colocaram dentro de um quarto pequeno e trancaram todas as portas e janela. Nisso eles subiram para o terraço pra beber", disse a mulher.

A família da vítima acionou a Polícia Civil de Minas Gerais, que acionou os policiais da capital fluminense. Inicialmente, a mulher havia sido levada para Duque de Caxias, mas o prostíbulo mudou de lugar.

Os agentes da 21ªDP (Bonsucesso) localizaram o prostíbulo no bairro de Madureira. A ação contou também com o apoio dos policiais da 29ªDP (Madureira). A mulher voltou para Minas Gerais ainda na quinta.

Uma mulher identificada como Karen Lourenço de Souza foi presa por organização criminosa, cárcere privado e favorecimento à prostituição.

Três integrantes da quadrilha foram identificados e estão sendo procurados pela polícia. Entre eles, o homem apontado como o chefe do grupo e que teria estuprado a mulher.

"Ele também responderá pelo estupro e pela divulgação das fotos que ela foi obrigada a fazer por este elemento, que era o cabeça da quadrilha", afirmou o delegado Hilton Alonso, responsável pela investigação.


Com informações do site: Bom dia Rio