segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Feminicídio e ocultação de cadáver: companheiro de mulher encontrada morta em Olinda é encaminhado para o Cotel.


 
Foto: Reprodução
A prisão em flagrante do homem suspeito de matar a própria mulher, cujo corpo foi encontrado no Canal Lava Tripa, em Olinda, no Grande Recife, foi convertida em prisão preventiva após audiência de custódia na tarde desta quinta-feira (2).

De acordo com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), José Fernandes do Nascimento foi autuado pelos crimes de Feminicídio e ocultação de cadáver, previstos no Art. 121, §2º, VI e Art. 211 do Código Penal.

O homem foi  encaminhado ao Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna – COTEL. Durante a prisão em flagrante, o homem estava estava dentro de uma igreja evangélica, com o relógio da vítima.

Nota na íntegra da Assessoria do TJPE
A Assessoria de Comunicação Social do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) informa que em audiência de custódia realizada nesta quinta-feira (2/9), pela Central de Audiências de Custódia de Olinda, José Fernandes do Nascimento teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva. 

Ele foi encaminhado ao Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna – COTEL. José Fernandes do Nascimento foi autuado pelos crimes de feminicídio e ocultação de cadáver, previstos no Art. 121, §2º, VI e Art. 211 do Código Penal.

Justiça:
Durante o enterro, os familiares protestaram pedindo justiça. "Minha mãe é mais um caso de feminicídio, como muitos outros e não vai ficar impune. Eu vou dar a minha vida. eu vou criar redes sociais, eu vou sempre estar relembrando o caso dela, para não ser esquecido, para não ser mais um caso de feminicídio apenas. 

Não vai trazer de volta, não vai arrancar a dor, não vai aliviar, mas eu não quero que outra mulher passe por isso, porque se ele fez isso com a minha mãe, ele pode fazer com qualquer uma. Eu quero que ele pague pelo que ele fez, eu quero que ele apodreça na cadeia, porque é o que ele merece.

Eu não tenho raiva dele, eu tenho indiferença. Eu só sinto nojo de ele olhar na minha cara e dizer que não fez nada e que ela estava bem, enquanto ele sabia o que tinha feito", falou a filha da vítima.

O caso:
O corpo de uma mulher, de 47 anos, que não teve o nome revelado, foi encontrado em avançado estado de decomposição no Canal da Lava Tripa, que fica localizado por trás da Avenida Presidente Kennedy, em Olinda, Grande Recife, na tarde dessa quarta-feira (1º).  

O Corpo de Bombeiros foi acionado e realizou a remoção. Segundo informações de familiares, a mulher estava desaparecida desde a noite do último domingo (29), quando teria saído para um pagode com o companheiro e, na volta, teria ido dormir na casa dele, que fica às margens do canal.

Ainda de acordo com os parentes, o casal teria reatado o relacionamento há pouco tempo. Os filhos da vítima acreditam que esse homem pode ter cometido o crime.

 De acordo com o Instituto de Criminalística (IC), a mulher não apresentava sinais de lesão por arma branca ou arma de fogo, mas pode ter sido vítima de esganadura. Ainda segundo a perícia, o tempo de decomposição do corpo indica que ela foi morta no domingo.

Com informações do site: TVJORNAL