sexta-feira, 10 de setembro de 2021

Mulher fica grávida após cirurgia de laqueadura e médico é condenado


Foto: Reprodução
Um médico de Castelo, Sul do Estado, foi condenado pela Justiça a indenizar um casal em R$ 14 mil depois que a mulher engravidou apesar de ela ter pago por uma cirurgia de laqueadura visando a não ter mais filhos. 

O procedimento, segundo o casal, deveria ter sido realizado no parto do terceiro filho. Só que quatro meses depois, ela ficou grávida pela quarta vez. Segundo decisão judicial, o especialista deverá ainda reembolsá-la em R$ 700 e arcar com as despesas relativas à quarta cesaria.

Um médico de Castelo, Sul do Estado, foi condenado pela Justiça a indenizar um casal em R$ 14 mil depois que a mulher engravidou apesar de ela ter pago por uma cirurgia de laqueadura visando a não ter mais filhos.

O procedimento, segundo o casal, deveria ter sido realizado no parto do terceiro filho. Só que quatro meses depois, ela ficou grávida pela quarta vez. Segundo decisão judicial, o especialista deverá ainda reembolsá-la em R$ 700 e arcar com as despesas relativas à quarta cesariana.

Ligadura ou laqueadura é uma cirurgia na trompa que interrompe a comunicação entre o ovário e o útero, impedindo a fecundação. O casal também ingressou com ação contra o hospital. No entanto, a instituição de saúde alegou que cumpriu todas as obrigações, como fornecimento adequado de instalações, alimentação, exames, medicamentos e a equipe médica de enfermagem.

O médico, em sua defesa, disse que não fez a laqueadura na mulher por não ter sido autorizada pelo hospital. Alegou ainda que o casal estava ciente de que o procedimento poderia não ser realizado.

No entanto, o juiz da 1ª Vara de Castelo entendeu que faltaram provas de que o hospital não tenha autorizado a laqueadura. Na avaliação do magistrado, os autos demonstraram que o médico simplesmente não fez o procedimento.

“O requerido (médico) atestou a realização do ato cirúrgico, conforme documentos trazidos ao processo, gerando expectativa nos requerentes (casal) de que a autora não mais engravidaria, não tendo o casal mais se utilizado de outros métodos contraceptivos, advindo daí a 4ª gravidez”, diz a sentença.

Quem passou por situação semelhante foi a técnica de enfermagem Patrícia Silva Azevedo, 42 anos. Há 14 anos, ela fez laqueadura durante o parto de seu segundo filho, porém um ano depois ficou grávida. Patrícia destacou que, por questões particulares, preferiu entrar em acordo com o médico ao invés de processá-lo.

“O médico fez o parto e nova ligadura, desta vez retirando as trompas, que era o que eu queria no início, por conta dele”, disse. Hoje a filha dela tem 15 anos.

Mulher pode se arrepender de laqueadura
A médica ginecologista e sexóloga, Lorena Baldotto, disse que é relativamente comum mulheres se arrependerem da laqueadura e procurar um especialista para tentar reverter o procedimento.

Acontece que, segundo a ginecologista, trata-se de um procedimento considerável irreversível. Porém, pode ser desfeito, mas só resulta em sucesso em 30% dos casos. Muitas vezes, dependendo da situação, o casal precisa ser encaminhado a um tratamento para fertilização.

Com informações do site: TRIBUNA ONLINE