quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Polícia Civil apreende 93 carros de luxo, avaliados em R$ 18 milhões


 
Foto: Reprodução
A Polícia Civil do Distrito Federal apreendeu, nesta quinta-feira (2), 93 carros de luxo, avaliados em R$ 18 milhões (veja vídeo acima), com um grupo suspeito de aplicar golpes em clientes de bancos, em Brasília. Três homens e uma mulher foram detidos na cidade de São Paulo e devem responder por estelionato e lavagem de dinheiro.

Passe Livre Intermunicipal
A Polícia Civil do Distrito Federal apreendeu, nesta quinta-feira (2), 93 carros de luxo, avaliados em R$ 18 milhões (veja vídeo acima), com um grupo suspeito de aplicar golpes em clientes de bancos, em Brasília. Três homens e uma mulher foram detidos na cidade de São Paulo e devem responder por estelionato e lavagem de dinheiro.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça para o DF e cidades de São Paulo. Entre os bens foram apreendidos estão veículos como Porsche, Mercedes-Benz e BMW, além de R$ 580 mil em espécie, artigos de luxo, centenas de cartões bancários e chips de celular.

‘Golpe do motoboy’
A investigação apontou que os suspeitos ligavam para as vítimas fingindo ser do banco e diziam que havia um problema com o cartão, sobretudo de pessoas idosas, e que precisavam fazer a troca.

“Eles ofereciam um serviço de motoboy para buscar nas residências os cartões supostamente clonados, para, a partir daí, de posse dos cartões, realizar retiradas das contas das vítimas e compras em grandes atacadistas usando os cartões, em especial de aparelhos eletrônicos, televisores e smartphones”, informou a polícia.

De acordo com os investigadores, os criminosos lavavam o dinheiro em lojas de carros de luxo na capital paulista. A quadrilha movimentava por ano cerca de R$ 14 milhões por ano, segundo os policiais.

A segunda fase da operação, batizada de “Captis” envolveu cerca de 130 policiais civis, simultaneamente no Distrito Federal e nas cidades de São Paulo e Guarujá.

Já a primeira etapa, “operação Lothur”, ocorreu em 2018. Na época, 12 membros do grupo criminoso foram indiciados. A investigação apontou que os suspeitos executavam os golpes em Brasília, realizando os saques e compras com os cartões entregues pelas vítimas aos motoboys.


Com informações do site: JH NOTÍCIAS