quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Como um erro de gramática pode custar quase R$ 1 milhão


 
Foto: Reprodução
Quantas vezes você já ficou em dúvida sobre a grafia de uma palavra? E, quantas outras mais, você escreveu algo errado por engano, pronto para consertar em seguida? Felizmente, a maior parte desses erros não deve ter gerado nenhum boleto milionário a ser pago -- uma “sorte” que Anthony Zadravic não teve. Ele atualmente corre o risco de pagar US$ 180 mil (algo como R$ 996 mil) por causa de um erro gramatical cometido em um post no Facebook.

Isso tudo começou com uma reclamação de Zadravic, que trabalha como corretor de imóveis na Austrália, a respeito de seu antigo empregador. Na hora de reclamar, porém, ele esqueceu de usar o apóstrofo (‘), um sinal de pontuação bastante usado no inglês e que pode, sim, alterar o sentido de frases.  

No post, Zadravic afirma que queria dizer que a empresa não pagou o imposto relacionado ao trabalho dele, chamado de superannuation (algo como o INSS aqui no Brasil). Porém, sem o sinal de pontuação (na palavra "employees", na frase abaixo), o sentido da frase ficou totalmente diferente, dando a entender que a empresa não pagava o imposto de nenhum funcionário.

Para ficar mais claro, a frase original, segundo matéria do New York Times, era a seguinte: “Oh Stuart Gan!! Selling multi million $ homes in Pearl Beach but can’t pay his employees superannuation”. Menos de 12 horas depois de publicado, o post foi removido pelo autor -- mas já era tarde demais. O antigo empregador, Gan, havia visto a publicação e decidiu processar o ex-funcionário por calúnia e difamação.  

Na última quinta-feira, foi realizada a primeira audiência do caso e a juíza Judih Gibson autorizou o prosseguimento do caso. Agora, ou Zadravic prova que mais de um funcionário teve seus direitos à aposentadoria negados, ou terá de pagar uma multa máxima de R$ 996 mil, caso seja condenado.

O país é conhecido por manter regras bastante rígidas para os crimes de calúnia e difamação. Esses pontos foram levantados recentemente por órgãos de imprensa, que questionam a liberdade de expressão de profissionais no país.

O debate também é ampliado pelo uso (ou a falta dele) das regras gramaticais em redes sociais. Se, no ambiente corporativo, é possível listar pelo menos 60 erros comuns, no mundo digital a ausência da norma culta é ainda mais notável. É preciso estar atento.

Com informações do site: EXAME