sexta-feira, 1 de outubro de 2021

Durante briga de casal, homem quebra prato e fere a esposa em Presidente Prudente;


 
Foto: Reprodução
Um homem de 25 anos foi preso por violência doméstica no Jardim Humberto Salvador, em Presidente Prudente (SP), após brigar com a esposa, nesta quinta-feira (30). Ela ficou ferida devido a um prato que quebrou.

A Polícia Militar foi acionada por vizinhos do casal, que teriam relatado que uma pessoa havia sido esfaqueada, segundo consta no boletim de ocorrência.

Uma equipe foi ao endereço indicado, onde estavam a vítima, de 27 anos, e sua irmã, listada como testemunha. Os policiais ainda constataram sangue pela casa e um prato quebrado sobre a cama.

A testemunha relatou aos militares que presenciou a agressão física por parte do companheiro de sua irmã. O homem desferiu empurrões e tapas na vítima, além de jogar um prato, que quebrou e feriu a mulher.

O homem fugiu com um amigo quando foi avisado de que a polícia seria acionada.

Segundo o boletim de ocorrência, a vítima foi levada para receber atendimento médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Norte.

Após um tempo, a polícia foi informada de que o homem havia retornado para casa. A equipe voltou ao local.

Questionado, o homem disse aos militares que, durante a discussão com a esposa, bateu com a mão no prato em que ela comia. O objeto quebrou, machucando a mão do indivíduo e a perna da mulher.

Em revista no imóvel, a PM encontrou na gaveta do guarda-roupas um projétil de arma de fogo, intacto. Questionado sobre a munição e eventual arma, o homem relatou ter ganhado de um pai de santo e guardado de lembrança, e que não tinha arma.

A vítima declarou que não queria a prisão do homem, mas que gostaria de uma ordem de afastamento no termos da Lei Maria da Penha.

Após análises das declarações e do laudo médico legista da vítima – que constatou as lesões na mulher –, foi ratificada a prisão em desfavor do homem.


O fato, registrado como violência doméstica, lesão corporal e posse irregular da munição, foi encaminhado para a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM).

Com informações do site: G1