sábado, 9 de outubro de 2021

Mãe e tia são investigadas por agredir criança fisicamente e torturá-la psicologicamente; menina era chamada de ‘verminosa’


 
Foto: Reprodução
A Polícia Civil de Minas Gerais investiga o crime de maus-tratos contra uma criança de 10 anos praticados pela mãe dela, de 46 anos, e pela tia, de 38 anos, na cidade de Jequitinhonha, no Vale do Jequitinhonha. Em vídeos gravados pelas próprias suspeitas, a menina é torturada psicologicamente, chamada de "verminosa", capeta e horrorosa e também é agredida fisicamente, tendo o braço torcido, toma tapa na cara e recebe uma série de chineladas.

Os vídeos começaram a circular nas redes sociais entre os moradores da região no mês passado, quando o Conselho Tutelar da cidade tomou conhecimento das imagens e acionou a Polícia Civil e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) para acompanharem o caso. Foi aberto um inquérito policial. Segundo a delegada da cidade, Fernanda Passarini, as suspeitas e testemunhas já foram ouvidas e liberadas. Além disso, os celulares delas foram recolhidos, por meio de mandado de busca e apreensão, e passam por perícia.

Em um dos vídeos gravados, a criança aparece chorando muito e nervosa. Uma das mulheres, que ao que tudo indica seja a tia, a chama de verminose e começa a rir dela. A mulher também diz: “você já se olhou no espelho? O tanto que você é feia, horrorosa”.

Na sequência ela chama a menina de capeta e de “isso”. A criança começa a gritar que “isso” tem nome. E a mulher insiste em chamá-la de “isso”. Durante toda a filmagem a menina chora compulsivamente.

Depois das torturas psicológicas, a criança tenta bater no celular da mulher que faz as imagens, mas a suspeita pega o braço da vítima e o torce até a menina gritar muito e cair no chão. Depois ela ainda apanha com várias chineladas e a mulher diz: “isso é para você aprender a nunca mais levantar a mão para mim”.

Em um outro vídeo, uma outra mulher, que aparentemente seria a mãe da vítima, aparece puxando o cabelo da menina que está sentada no chão. Ela diz que a filha vai para a casa do pai. “Eu não quero você na minha casa. E se você quiser aula, você pede sua madrasta e e seu pai”, diz a mulher. Ela também dá um tapa na cara da menina e chineladas. A mulher diz ainda que ela não vai mais ganhar ovo de Páscoa. Uma outra mulher, que faz as filmagens, incentiva as agressões e diz que não aguenta mais a garota. Apesar das ameaças, segundo a Polícia Civil, a criança continua frequentando a escola normalmente.

Perícia avalia se há mais vídeos de agressões

De acordo com a delegada, a perícia analisa as imagens e se há mais vídeos de agressões. Fernanda aguarda o laudo pericial para a conclusão do inquérito. "Os vídeos são possivelmente de fevereiros e março. Estamos com a maior celeridade para resolver esse caso porque a criança não tem condições de se proteger e nem de entender que ela está sofrendo agressões. Abrimos o inquérito inicialmente por maus-tratos, mas ainda aguardo o laudo pericial para saber se há outros crimes. Ainda neste mês o inquérito será concluído", detalhou a delegada.

Ela disse também que esse tipo de caso não é comum na cidade de Jequitinhonha, que tem cerca de 25 mil habitantes. "Esse caso nos chamou muito a atenção. Nós não seremos coniventes com nenhum tipo de abuso maus-tratos ou violência contra as crianças e adolescente. Estamos dando enfoque a combate a esse tipo de crime", concluiu.

Fernanda disse ainda que quem presenciar esse tipo de crime acontecendo deve acionar a Polícia Militar, no caso de haver flagrante. No caso de ficar sabendo sobre o crime em datas anteriores, se deve acionar o Conselho Tutelar, Ministério Público e a Polícia Civil.

Conselho pede que imagens não sejam repassadas

O Conselho Tutelar da cidade e o Ministério Público acompanham o caso. O Conselho informou que a menina faz acompanhamento psicológico e que as intervenções de proteção à vítima estão sendo realizadas junto ao município. O Conselho também pediu à população que não continue divulgando os vídeos nas redes sociais por causa da exposição da imagem da menina que pode trazer danos psicológicos a ela. Não se sabe ainda quem divulgou as imagens.

Com informações do site: SETELAGOAS