quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Multidão se reúne em funerária de Goiás para aguardar ressureição de pastor; Veja o vídeo


 


Foto: Reprodução

Uma multidão se reuniu em frente a uma funenária no interior de Goiás esperando a ressurreição de um pastor. Huber Rodrigues assinou um documento dizendo que ressucitaria três dias após a sua morte.

A viúva do pastor se negou a liberar o corpo do marido  para ser sepultado, mas o prazo se esgotou às 23h30 desta segunda-feira (25). Por volta das 0h, corpo foi colocado em carro funerário para o velório.

"Chegamos aqui tinha cerca de 20 pessoas. Agora olha a multidão. Todo lugar do mundo está acompanhando", diz uma das pessoas que aguardava em frente à funerária. Em outro trecho, a mesma pessoa afirma: "que ele possa deixar um legado".

Veja o video abaixo:

 
O religioso faleceu na última sexta-feira (22) em decorrência de complicações cariorrespiratórias, em Itumbiara.


"Minha integridade física tem que ser totalmente preservada, pois ficarei por três dias morto, sendo que no 3ª dia, eu ressuscitarei. Meu corpo durante os três dias não terá mau cheiro e nem se decomporá, pois o próprio Deus terá preparado minha carne e meu cérebro para passar por essa experiência", escreveu no documento.

Apesar de não regitrada em cartório, o documento foi assinado por duas testemunhas.

Esposa falou após o enterro

Deus tem a forma Dele de ressuscitar. Ressuscitar, para Deus, pode ser levar um espírito para o céu". A frase é de Ana Maria Oliveira Rodrigues, de 56 anos. De filha de lavrador que plantava milho e soja em Joviânia, no interior de Goiás, ela se tornou celebridade, da noite para o dia, em Goiatuba, cidade vizinha de sua terra natal, onde passou a morar. Na segunda-feira à noite, o tempo parou no local de pouco mais de 35 mil habitantes. Centenas de pessoas foram para a porta da funerária Paz Universal esperar o momento em que o marido de Ana Maria, o pastor Huber Rodrigues, de 49 anos, ressuscitaria . Não aconteceu. Por volta de meia-noite, o estabelecimento, que existe há 44 anos na região, deu início à cerimônia de despedida que, pela primeira vez, aconteceria de madrugada. A pedidos.

Ana Maria e Huber: marido, morto pela Covid-19, tinha expectativa de ressuscitar no terceiro dia
Com o coração na mão e dividida até o último minuto, porque temia que a profecia que o próprio marido fez constar em documento em 2008 não se cumprisse, Ana Maria não se envergonha, apesar de algumas pessoas terem transformado o caso em piada.

Os cristãos queriam um milagre, que consistiria em Huber sair do caixão com as próprias pernas . Os céticos, por sua vez, só assistiam à distância por pura diversão. Uma "live" acompanhava os acontecimentos em tempo real.

"Não me importo com as brincadeiras, eu entendo. Mas muita gente que estava do lado de fora da capela viu um clarão no céu na hora em que o Huber tinha pedido para ser feito o sepultamento. Ele foi muito claro quanto ao horário. Ele tinha muito medo de ser enterrado vivo", conta Ana Maria, lembrando que, além da luz repentina, começou a chover. "Deus sabe o que faz, a minha fé não ficou abalada, muito pelo contrário, foi avivada. Eu estou com a minha consciência tranquila de que atendi a um pedido do meu marido, que tanto bem fez para esta comunidade

Com informações do site: IG