domingo, 3 de outubro de 2021

Operação Consortes: oito mulheres que atuam em organização criminosa no Piauí e Maranhão são presas


 
Foto: Reprodução

Oito mulheres foram presas na Operação Consortes, deflagrada pela Polícia Civil do Piauí (PC-PI) na manhã desta sexta-feira (1º). A ação investiga uma organização criminosa atuante no Piauí e Maranhão. Ao todo, a polícia pretende cumprir 13 mandados de prisão preventiva.

Os mandados foram cumpridos em Teresina, Floriano, Esperantina, Demerval Lobão e em Pedreiras, no Maranhão. O delegado Yan Brayner informou ao g1 que os alvos da operação integram o núcleo feminino do PCC.

"Essas mulheres são investigadas por associação criminosa, tráfico de drogas e crimes contra a vida. Duas delas já estavam presas em Teresina e os mandados foram cumpridos no sistema prisional", informou.
Ainda na capital, ocorreram outras três prisões, na Vila São Francisco, no Mocambinho e no Residencial Dom Avelar. Houve uma prisão em Demerval Lobão, uma em Esperantina e outra em Pedreiras (MA). Ainda há cinco mandados em aberto.

O nome da operação faz referência ao termo utilizado para quem tem vínculo matrimonial com um rei ou rainha. De acordo com a polícia, isso porque as mulheres alvos da operação têm algum tipo de relação com homens que integram o mesmo grupo.

"Elas são tanto namoradas, companheiras ou esposas e auxiliam os presos a se comunicarem com os comparsas que estão fora da cadeia. Levam informações, participam de venda de drogas e outros crimes cometidos por eles", explicou o delegado Tales Gomes, coordenador do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco).

O delegado Yan Brayner afirmou que a operação quebrou um canal de comunicação frequentemente usado pelos membros da organização criminosa. "Durante as visitas às unidades prisionais elas passavam recado de outros membros que estão na rua", disse.

A operação, que conta com participação de 60 policiais civis e 20 policiais penais, foi conduzida pelo Greco, com apoio da Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Depre), da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core) e da Gerência de Polícia Especializada (GPE).

As delegacias regionais de Esperantina e Floriano, as diretorias de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí (SSP-PI) e da Secretaria de Justiça (Sejus) também deram apoio à ação policial, além da Polícia Civil do Maranhão.

Com informações do site: G1 Globo