sexta-feira, 1 de outubro de 2021

Três suspeitos de crimes em Cruz Alta são mortos em confrontos com a Brigada Militar


 
Foto: Reprodução
Três suspeitos de praticar assassinatos em Cruz Alta foram mortos em confrontos com a polícia entre terça e quinta-feira. Com isso, o município já chega a 10 mortes violentas no mês de setembro, número que preocupa as autoridades locais.

Duas pessoas morreram em consequência de uma ação da Brigada Militar em resposta a um duplo homicídio que aconteceu na noite de terça-feira. Os suspeitos teriam assassinado dois jovens, um de 18 e outro de 22 anos, na Rua Antônio Gigorski, no Bairro Jardim Primavera.

Outros dois criminosos teriam participado do duplo assassinato. Após os crimes, a quadrilha fugiu em um Fiat Mobi roubado e foi perseguida pela BM. O grupo atirou contra os policiais militares, que conseguiram balear e prender três suspeitos. O quarto fugiu.

Os três baleados foram levados para o Hospital São Vicente de Paulo. Dois não resistiram e morreram entre o meio-dia de quarta e manhã desta quinta-feira. O terceiro suspeito ferido segue internado.

BAIRRO ESPERANÇA
Já na noite de quarta, em nova ação, a Brigada Militar trocou tiros com outro suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas. O homem, de 44 anos, estava armado com uma espingarda calibre 12 e acabou baleado pelos PMs. Ele foi levado ao hospital da cidade, mas não resistiu.

A ação aconteceu no Beco Siqueira, no Bairro Esperança. Um jovem de 23 anos foi preso na abordagem, e um adolescente, de 16, foi apreendido.

Nenhum policial militar ficou ferido durante os tiroteios com os suspeitos.

A Polícia Civil investiga a onda de assassinatos no município, que atingiu o auge em setembro. Os crimes estariam relacionados a brigas entre facções criminosas pela disputa pelo tráfico de drogas.

ONDA DE CRIMES
Setembro foi um dos meses mais violentos da histórica de Cruz Alta. Das 10 pessoas mortas a tiros, sete teriam sido vítimas de execuções, possivelmente como resultado de disputa entre facções criminosas envolvidas no tráfico de drogas. Nesse período, houve dois duplos homicídios. O primeiro havia acontecido no dia 21.  

Outros três seriam suspeitos de envolvimento nos assassinatos e acabaram mortos em confrontos com a Brigada Militar.

Todos os crimes estão sendo investigados pela Polícia Civil. Em média, Cruz Alta registra entre dois e três assassinatos por mês, o que demonstra ter sido setembro uma mês atípico, em que a violência urbana assustou os cerca de 60 mil moradores do município.  

BRIGADA E POLÍCIA CIVIL LIGAM CRIMES A AÇÃO DE FACÇÕES
O Comandante do 16° Batalhão de Polícia Militar, major Marcus Giovani Mello da Silva, credita os crimes à chegada das facções na cidade, mas garante que o policiamento faz ações diariamente de combate à criminalidade. 

- A gente está fazendo operações integradas, junto com a Polícia Civil, e planejando fortalecer ao longo do mês de outubro, com apoio do Ministério Público e das instituições de segurança pública de Cruz Alta, para que possamos dar uma resposta e tranquilizar a população de bem - afirma o major.

O delegado Josuel Muniz, da 1ª Delegacia de Polícia (1ª DP) de Cruz Alta, também afirma que os crimes têm relação direta com o tráfico de drogas. 

- Fruto da impunidade. A bandidagem acha que pode confrontar a polícia, mas a BM tem dado uma resposta a altura. Infelizmente, isso tem acontecido - diz o delegado.

Com informações do site: BEI