domingo, 3 de outubro de 2021

Veja o que se sabe sobre o caso do estudante de medicina suspeito de agredir mulheres


 
Foto: Reprodução

Após a estudante de medicina Gabriela Campos Duarte Machado, de 22 anos, denunciar o ex-namorado, o também estudante de medicina José Flávio Carneiro dos Santos, de 27 anos, por agressão, mais duas mulheres foram à delegacia registrar boletim de ocorrência contra o suspeito.

Em mensagem a um amigo, José Flávio chegou a admitir o crime: "Sentei a mão nela".

Como a ocorrência veio à tona?
O caso veio à tona depois que Gabriela Duarte relatou as agressões sofridas pelo ex-namorado nas redes sociais, no último domingo (26).

Gabriela contou ao g1 que já foi agredida por José Flávio quatro vezes. A primeira foi em 12 de setembro de 2020; a segunda, em 2 de janeiro de 2021; a terceira, no dia 7 de abril; a quarta, no dia 23 de setembro.

As últimas agressões aconteceram dentro do apartamento do suspeito, na Savassi, região nobre de Belo Horizonte. A vítima disse que viu uma mensagem de mulher falando que era namorada de José e, ao questioná-lo, foi atacada.

Gabriela contou que foi trancada no quarto e espancada. Ela chegou a fingir um desmaio para que as agressões cessassem. Os vizinhos ouviram os gritos da estudante, conseguiram invadir o apartamento e a levaram para a delegacia.

O suspeito foi preso?
José Flávio chegou a ser preso em flagrante, mas foi liberado após pagar fiança de R$ 5 mil.

Enquanto estava na delegacia, ele enviou uma mensagem para um amigo, dizendo: "Sentei a mão nela, tô preso. Preciso pagar R$ 5 mil para sair".

Segundo Gabriela, no dia seguinte às agressões, o suspeito saiu para beber com os amigos. No dia 25 de setembro, ainda viajou para São Paulo para fazer uma tatuagem.

Quantas mulheres já denunciaram José Flávio?
Além de Gabriela, duas mulheres procuraram a polícia e registraram boletins de ocorrência contra José Flávio Carneiro dos Santos. As ocorrências foram abertas na última quarta-feira (29), em Belo Horizonte e São Paulo (SP).

No boletim registrado na capital mineira, ao qual o g1 teve acesso, a vítima, de 26 anos, acusa o estudante de estupro.

Ela disse que era amiga de José Flávio e que, na manhã do 15 de novembro de 2020, acordou na cama dele. Ao questioná-lo sobre o que tinha acontecido, ele disse que os dois tiveram relação e falou: "Volta a dormir que amanhã a gente conversa".

A mulher contou que, na véspera, após almoçar com o estudante, os dois foram para um bar, onde iriam encontrar com outros amigos. No local, eles consumiram de bebidas alcoólicas. A vítima disse que não se lembra de como chegou à casa de José Flávio.

O outro boletim de ocorrência contra o suspeito foi registrado no Centro de São Paulo. A ex-namorada de José Flávio, de 27 anos, relatou abusos físicos e psicológicos sofridos durante seis meses de relacionamento, em 2017. Ela disse que foi espancada por ele.

Ela relatou ainda que sempre que tentava terminar a relação, o suspeito ameaçava se matar.

Como estão as investigações?
Nesta sexta-feira (1º), a Polícia Civil de Minas Gerais informou que tramitam, no estado, dois inquéritos policiais envolvendo o suspeito. O primeiro, de lesão corporal, foi instaurado em 23 de setembro, após a denúncia feita por Gabriela Duarte na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher.

O segundo inquérito foi aberto para apurar a ocorrência de estupro, ocorrida em novembro de 2020, e denunciada por outra vítima.

Segundo a corporação, os casos estão sendo investigados.

Nesta semana, a Polícia Civil solicitou medida protetiva de urgência à Gabriela Duarte, concedida na última terça-feira (28). O juiz da 3º Juizado de Violência Doméstica, Richard Fernando da Silva, determinou que José Flávio se mantenha afastado de Gabriela e permaneça sob monitoramento eletrônico.

O que a defesa de José Flávio alega?
O advogado de defesa de José Flávio Carneiro dos Santos divulgou uma nota na tarde desta quinta-feira (30) sobre a denúncia divulgada por Gabriela.

A nota diz que o estudante de medicina "lamenta" os "fatos ocorridos", mas diz que se trata de "fato pontual".

"A defesa de José Flávio Carneiro dos Santos, vem a público noticiar que seu constituinte lamenta profundamente os fatos ocorridos, esperando, contudo, que tal fato pontual não seja utilizado como o tem sido para a promoção pessoal de quem quer que o seja, e, acreditando na justiça, repelimos as agressões e ameaças a que tem sido compelido o cliente (....)", disse a nota. 

Sobre as outras duas denúncias, a defesa não se pronunciou até a manhã desta sexta-feira.

Após as agressões, o diretório acadêmico da faculdade de medicina da PUC Minas em Betim, na Grande BH, divulgou uma nota de repúdio contra o ocorrido.

Além disso, a universidade "constituiu uma Comissão de Controle de Infrações Disciplinares para apurar a conduta disciplinar de um aluno do Curso de Medicina, Campus Betim, por fato que envolve uma também aluna do mesmo Curso".

Segundo a nota, a previsão do término dos "trabalhos da referida Comissão, que atuará em caráter reservado, é de 30 dias, segundo as normas regimentais da Instituição".

Com informações do site: G1 Globo