quinta-feira, 25 de novembro de 2021

7 mentiras sobre alimentação que sempre te contaram e você acreditou


 
Foto: Reprodução
Quando o assunto é alimentação, todo mundo vira especialista de repente. Sempre aparecem novas dietas, comidas milagrosas, inimigos do prato, proibições e alergias… O fato é que as pessoas adoram falar sobre isso porque, convenhamos, a gente adora comer.
 
Os hábitos alimentares são desenvolvidos desde a infância, fazem parte de costumes culturais e regionais, e são passados de geração em geração. Por isso, as crenças de senso comum e histórias que cercam ingredientes e receitas ainda são levadas muito em consideração. O perigo aqui é o excesso de informação que circula sem embasamento científico, surgindo de fontes questionáveis.

E é assim que algumas mentiras sobre alimentação acabam se fortalecendo, mesmo com explicações científicas desmistificando tais lendas: comer carboidratos à noite engorda; adoçante é melhor do que açúcar; laranja é a melhor fonte de vitamina C; e por aí vai. E se a gente te dissesse que essas crenças divulgadas abertamente, na verdade, não são bem como te contam?

Veja se você já ouviu algumas destas lendas e se já contou alguma delas por aí!
 
1) Adoçante é mais saudável do que açúcar
Não é bem assim… Os adoçantes são substâncias artificiais que causam a impressão de doçura no paladar, mas o nosso organismo não diferencia o que é açúcar e o que é adoçante. Portanto, essa sensação de “doce” pode estimular a produção de insulina pelo pâncreas, aumentando a vontade de comer alimentos com açúcar e, consequentemente, o acúmulo de gordura.

Adoçantes artificiais também costumam ser tóxicos ao organismo e podem causar dores de cabeça, mau humor e, em casos mais graves, câncer. A orientação é reduzir o uso dessas substâncias para acostumar o paladar a alimentos mais naturais, menos doces. Quando necessário, usar adoçantes naturais, como a stévia. Em caso de diabetes, consulte um médico.

2) Comer maçã nos intervalos das refeições “segura” o apetite
Essa também é uma lenda contraditória. A maçã é rica em fibras solúveis que irão agir no aumento da saciedade. Porém, estudos comprovam que a presença de ácido málico na maçã, substância que é capaz de estimular o gatilho da fome no cérebro, faz com que nosso apetite aumente ao comer a fruta. Além disso, a maçã tem acidez que estimula a produção de ácido gástrico, portanto sua digestão é muito fácil e rápida. A dica aqui é consumir a fruta com algum alimento fonte de proteína, gordura ou fibra, pois esses nutrientes são digeridos mais lentamente pelo organismo e ajudam a evitar o pico glicêmico.

3) Abacate engorda
Às vezes, quando falamos em “abacate”, as pessoas pensam apenas no alto teor de gordura. Na verdade, esse super alimento é rico em ômega 9, vitaminas A, E, C e B6 e em fibras. As gorduras presentes no abacate são as monoinsaturadas, que fazem bem ao organismo e têm ação anti-inflamatória. Além disso, tanto o ômega 9 quanto as fibras promovem a saciedade, diminuindo a fome ao longo do dia.

4) Contar calorias é o certo a fazer
Há controvérsias. Por muito tempo a dieta de contagem de calorias era o método queridinho para emagrecimento. Porém, não basta contar calorias para perder peso e ter uma alimentação balanceada. Um cardápio baseado em apenas proteínas, por exemplo, tem baixa caloria porém alto teor em gordura. Assim como a ingestão de bebidas diet soma poucas calorias, mas também zero teor nutricional. O indicado e mais importante é se atentar para a quantidade de nutrientes consumidos e a combinação dos grupos alimentares.

5) Laranja é a principal fonte de vitamina C
Essa é uma das principais afirmações usadas de forma incorreta. A laranja é, sim, uma fonte importante de vitamina C. Porém, outros alimentos possuem uma quantidade mais representativa desse nutriente, como o morango, o kiwi, a acerola, a goiaba, entre outros. Por exemplo, enquanto 100 gramas de laranja têm, em média, 57 mg de vitamina C, 100 gramas de kiwi somam 72 mg.

6) Leite é a maior fonte de cálcio
Quando a gente fala em “fonte de cálcio” automaticamente pensamos no leite. Desde sempre a sociedade foi acostumada a incluir leite na alimentação sob esse argumento, porém, alguns vegetais e outros ingredientes têm muito mais cálcio e são melhores absorvidos pelo organismo. Se compararmos, 100 g de brócolis têm 513 mg de cálcio, enquanto 100 ml de leite têm 107 mg.
 
Os vegetais, em relação ao leite, têm ainda a vantagem de possuir colesterol zero e muito mais proteínas, ferro e fibras. Curiosamente, alguns dos maiores consumidores de leite no mundo (EUA, Canadá e Austrália) possuem, também, a maior incidência de osteoporose.

7) Comer carboidrato à noite engorda
Essa é uma das mentiras sobre alimentação mais replicadas. A gente tem que parar com essa guerra contra os carboidratos, pois a não ser em casos de alergia ou algum tipo de intolerância, a maioria das dietas inclui este grupo alimentar. A questão aqui é saber escolher os carboidratos que têm propriedades positivas para a nossa alimentação.

O ideal é consumir carboidratos complexos e ricos em fibras, em geral, aqueles com baixo índice glicêmico – valor que se refere à velocidade de absorção de glicose (açúcar) pelo sangue e aumento da quantidade desse componente no nosso organismo. Alguns exemplos são: frutas, batata doce, inhame, arroz integral, quinoa, aveia, macarrão integral, entre outros. Também é importante adequar a quantidade de acordo com a rotina e nível de atividade física praticada.

Depois de ler esta lista, está comprovado que devemos analisar o que escutamos por aí. Portanto, o ideal, sempre, é consultar um nutricionista ou especialista em alimentação e nutrição para saber qual é a dieta mais indicada para o seu organismo.  
Com informações do site: beepsaude.com.br