terça-feira, 14 de dezembro de 2021

Academia que permite malhar sem roupa chega ao Brasil e horários estão cheios


 
Foto: Reprodução

Chegou ao Brasil a Academy Freestyle, a academia que permite malhação sem roupa. A novidade já pode ser encontrada em algumas academias de São Paulo.

O horário de treino para os peladões são alternativos e super concorridos. ( Alerta: conteúdo contém imagens de nud*z)

A opção de treinos em que os alunos podem se exercitar nus, uma tendência que surgiu na França, agora está sendo implantada em algumas academias de São Paulo.

A rede Runing Wild de academias foi a pioneira em oferecer essa categoria de serviço.

Hoje já é adotado por outras 12 academias da capital paulista.

Na academia, os horários para os atletas pelados são alternativos e já estão concorridos. É estudada a ampliação para evitar a superlotação. “Foi o que aconteceu na França no momento da implantação”, diz Marcelo Dragone, personal trainer responsável por trazer o método para a rede. “Algumas pessoas criam coragem e começam a treinar, no início é difícil, mas quando a pessoa percebe o resultado do treinamento nu, nada mais importa. Aí é um boca a boca e horário enche rapidamente”, completou.

Em estudo realizado por fisiologistas franceses, o atleta que se exercita sem roupas, queima 70% mais calorias e libera mais que o dobro de hormônios inerentes ao esporte praticado.

Chegou ao Brasil a Academy Freestyle, a academia que permite malhação sem roupa. A novidade já pode ser encontrada em algumas academias de São Paulo.

O horário de treino para os peladões são alternativos e super concorridos. ( Alerta: conteúdo contém imagens de nud*z)

A opção de treinos em que os alunos podem se exercitar nus, uma tendência que surgiu na França, agora está sendo implantada em algumas academias de São Paulo.

A rede Runing Wild de academias foi a pioneira em oferecer essa categoria de serviço.

Hoje já é adotado por outras 12 academias da capital paulista.

Na academia, os horários para os atletas pelados são alternativos e já estão concorridos. É estudada a ampliação para evitar a superlotação. “Foi o que aconteceu na França no momento da implantação”, diz Marcelo Dragone, personal trainer responsável por trazer o método para a rede. “Algumas pessoas criam coragem e começam a treinar, no início é difícil, mas quando a pessoa percebe o resultado do treinamento nu, nada mais importa. Aí é um boca a boca e horário enche rapidamente”, completou.

Em estudo realizado por fisiologistas franceses, o atleta que se exercita sem roupas, queima 70% mais calorias e libera mais que o dobro de hormônios inerentes ao esporte praticado.


Com informações do site: Estado de Minas