sábado, 4 de dezembro de 2021

Crime em Samambaia: homem suspeito de matar ex-cunhada a tiros é procurado


 
Foto: Reprodução

O crime aconteceu na madrugada do último domingo, em Samambaia Sul. A vítima, Ívina Neponuceno, 24, foi até a casa do agressor para cobrar uma dívida ao ex-marido
Um homem, suspeito de matar a ex-cunhada com cerca de sete tiros, na madrugada do último domingo (28/11) é procurado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). O crime aconteceu em Samambaia Sul, após a vítima, Ívina Francisca Neponuceno Aguiar, 24 anos, ir até a casa do agressor para cobrar uma dívida ao ex-marido. O caso é investigado pela 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia Sul).

Ao Correio, uma conhecida de Ívina, que pediu para não ser identificada, contou que, recentemente, a jovem tinha conseguido uma bolsa em uma faculdade particular, e queria o dinheiro para concluir o ensino médio em um curso à distância. Para isso, procurou o ex-marido na manhã da última quinta-feira (27/11). O casal havia rompido há cerca de 15 dias, e o ex foi para a casa do irmão com o carro que a jovem ajudou a pagar. O objetivo da Ívina era vender o veículo e pegar parte do dinheiro para bancar o curso.

Ao chegar no local, Ívina encontrou apenas o ex-cunhado. “Pelo o que ela me contou, eles discutiram, ele a empurrou, e ela revidou com um murro. Ele ameaçou dizendo que ia dar chutes nela, mas ela foi embora. Depois, disse que ia desistir dos dois e deixar o assunto quieto”, conta a pessoa próxima da vítima, que não quis se identificar.

No sábado (29/11), ela pagou uma colega para substituí-la e saiu mais cedo, dizendo que estava com dor de cabeça. À noite, foi para a casa da vizinha e, por volta das 23h30, disse que ia sair rapidamente, mas que logo voltava. Segundo familiares, acompanhada de uma amiga, Ívina tentou, mais uma vez, falar com o ex-marido, mas foi recebida pelo ex-cunhado. Por volta de 1h30 os dois se desentenderam novamente. O homem tentou pegar um cigarro eletrônico da mão da vítima, que reagiu com um tapa. “Foi quando ele sacou a arma e disparou contra Ívina”, diz a conhecida. Foram cerca de sete disparos.

O ex-companheiro de Ívina, que estava dentro de casa, saiu após o tiroteio, e fugiu a pé com o irmão. A vítima foi socorrida por moradores do local e encaminhada para o Hospital Regional de Taguatinga. Ívina passou por cirurgias e, após mais de cinco paradas cardíacas, não resistiu. Ela morreu na noite da última segunda-feira (30/11).

Revolta

Natural de Teresina, Ívina mudou-se para Brasília em 2016, com o intuito de tentar conseguir trabalho. Ela trabalhava em uma lanchonete, em dias alternados, e em um restaurante de Águas Claras, durante as folgas. “Ela morava com a mãe, era um pouco sofrida mas sempre teve muita vontade de trabalhar, ter as coisas dela. Sempre foi batalhadora, e era muito focada. O plano era fazer faculdade, tirar a carteira de motorista e conquistar suas coisas pessoais”, conta a mulher, que não quis ser identificada.

A família está arrasada. “O pai e o irmão dela chegaram hoje. A mãe, que mora em Teresina, disse que não vem porque não tem condições de ver a filha dentro de um caixão”, completa a conhecida. O sentimento dos amigos e familiares é de revolta e surpresa. “Estamos surpresos com a reação do ex-marido. Eles sempre tiveram uma relação boa, tratava ela bem, cuidava bem. E aí acontece essa maldade”, lamenta.

Com informações do site:  timesbrasilia