quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

Delegado diz que roupas de vítimas de duplo homicídio chamaram atenção de suspeito; policial foi afastado do caso após protesto


 
Foto: Reprodução

O delegado Rhudson Barcelos, responsável pela investigação do duplo homicídio na região rural da cidade de Guanambi, no sudoeste da BA, onde mãe e filha foram mortas, deixou o caso.

Na segunda-feira (14), Rhudson concedeu uma entrevista coletiva à imprensa local e afirmou que as roupas das vítimas teriam chamado a atenção do suspeito.

Lei Maria da Penha: pedidos de medidas protetivas aumentam 14% no 1º semestre de 2021 no Brasil
Quatro iniciativas para o combate à violência contra a mulher; veja como elas funcionam
“Pelo que ficou subentendido e a gente apurou até o momento, não houve premeditação. Ele não tinha a intenção de praticar o estupro específico com as vítimas. Foi uma questão de coincidência, quando ele saiu do trabalho, (…) se deparou com as duas, com aquelas roupas de malhação, de caminhada, obviamente chamando atenção. Ele disse que daí começou a ter desejo sexual e as seguiu. Passou por elas, estacionou e ficou esperando”.

Além disso, o delegado citou na coletiva que no dia em que foi morta, Alcione Malheiros, de 42 anos, teria discutido com o marido no sítio da família.

“Nesse dia a vítima tinha tido discussão com marido sítio da família saíram 11h15 casa do sogro, e a sogra pediu para que ela não levasse a filha adolescente, mas que a mãe não viu problema”. contou.

As falas do delegado repercutiram negativamente nas redes sociais e geraram um protesto feito por mulheres na frente da delegacia na cidade na noite de terça-feira (14).

Rhudson esteve à frente das investigações desde o início do caso, inclusive coordenou a ação que resultou na prisão do suspeito, Marco Aurélio da Silva, de 36 anos. Ele participou das oitivas ao suspeito e a testemunhas. No entanto, deixou o caso após as falas polêmicas.

A Polícia Civil diz que a mudança ocorreu por conta de uma decisão administrativa, “que ocorre sempre que julgado pertinente”.

Ainda segundo a polícia, qualquer inquérito pode passar de um plantonista, caso de Rhudson Barcelos, para o titular. O inquérito do caso passou a ser coordenado pelo titular da Delegacia Territorial de Guanambi, Giancarlo Giovane Soares. O g1 entrou em contato com o delegado Rhudson, mas ele afirmou que não vai se manifestar sobre a mudança.

Com informações do site: salvadornoticia