terça-feira, 21 de dezembro de 2021

Mulher descobre doença rara que destrói o equilibro e pode parar o coração: ‘Achava que era algo espiritual’


 
Foto: Reprodução

Uma enfermidade considerada rara pela medicina ameaça parar os batimentos cardíacos de Vanessa Bonança, de 41 anos. Além disso, a doença destruiu o equilíbrio dela. Vanessa é portadora de ataxia de Friedreich. A aposentada procura sempre ficar em movimento para tentar evitar que a condição avance.

A ataxia de Friedreich é uma condição neurodegenerativa que atinge os movimentos do corpo, a fala, podendo afetar ossos, coração e as células no pâncreas que são responsáveis pela produção da insulina. Com o avanço da enfermidade, o paciente pode desenvolver deformidades nos ossos, enfermidade nos olhos e coração, diabetes e sofrer sensibilidade nos membros inferiores.

Atualmente, a aposentada mora em Praia Grande, que fica localizada na região litorânea de São Paulo. Ela contou durante uma entrevista ao portal de notícias G1 que recebeu o diagnóstico quando tinha cerca de 20 anos. Contudo, os sintomas começaram a aparecer quando tinha 17 anos. Na ocasião, Vanessa sentia tontura e começou a arrastar a perda na hora de andar.

“Relutei [para procurar um médico], porque achava que era algo espiritual, ou que estava ficando doida. Era como se alguém me empurrasse e eu fosse perdendo o equilíbrio. Comecei a ter medo de andar”, desabafou. Ainda conforme Vanessa, o diagnóstico foi algo rápido e os médicos sempre falaram sobre o quão grave é a enfermidade.

A aposentada explicou que tudo vai travando, principalmente naquelas pessoas que não praticam atividade física. Para ajudar e evitar complicações, ela pratica muay thai a fim de continuar mantendo os movimentos. A doença já atingiu os membros inferiores e, por isso, faz uso de cadeira de rodas. Os pés também acabaram se deformando devido à contração muscular.

De acordo com o especialista João Luis Cabral Junior, que é neurocirurgião, a ataxia de Friedreich é uma enfermidade considerada raríssima. No geral, atinge pessoas com idade abaixo de 25 anos. É uma doença hereditária e ainda não existe cura e tratamento, tratado apenas os sintomas que o paciente acaba desenvolvendo.


Com informações do site: 1news